“SOMOS TODOS TENENTE-CORONEL GABRYELA”

O Instituto Brasileira de Segurança Pública (IBSP), uma organização da sociedade civil sem fins lucrativos, de âmbito nacional, apartidária, de caráter civil, dotada de personalidade jurídica de direito privado, de caráter associativo (CNPJ 29.018.535/0001-71), oficiou às autoridades dirigentes da REDE GLOBO[1] e da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE JORNALISMO INVESTIGATIVO[2], em repúdio as manifestações, desfocadas do contexto e injustas veiculadas contra a senhora Tenente-coronel GABRYELA DANTAS, até então Chefe da Comunicação Social da Polícia Militar do Rio de Janeiro, desdobradas a partir de sua manifestação em relação à matéria jornalística desqualificada (porque sem suporte em dados verídicos) publicada pelo jornalista RAFAEL SOARES.

Mas teríamos nós, na condição de um instituto de pesquisas científicas no campo da Segurança Pública, legitimidade para nos insurgirmos em repúdio àquele ato?

Pois bem, nosso Estatuto Social, já em seu artigo 1º estabelece como nossos objetivos, entre outros: “I – promover estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito a politicas pública na área de segurança pública; III – promover a ética, a paz, a cidadania, os direitos humanos, a democracia e de outros valores universais, a partir da difusão do conhecimento científico produzido; IX – colaborar com os poderes constituídos, como órgão técnico e consultivo, no estudo e solução de problemas que se relacionem com a Segurança Pública, bem como no desenvolvimento da justiça e da solidariedade social”, valores que nos parecem conspurcados pela retaliação suportada pela profissional e pessoa humana, Tenente-coronel GABRYELA DANTAS, então Chefe da Comunicação Social da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Nosso ofício é sintético, simbólico, mas calcado na livre manifestação do pensamento, dentro de um Estado Democrático de Direito, e livre das pressões políticas que suportam os gestores das agências policiais em seu cotidiano; nele registramos:

“O vídeo de desagravo, veiculado com imagem e fala da senhora Tenente-coronel GABRYELA DANTAS, revela a voz de uma considerável e respeitável parcela da sociedade brasileira, que adota o diálogo e a verdade, enquanto repudia a manipulação dos fatos, que se agrava quando parte da imprensa, porque essa é exatamente a guardiã da verdade num Estado Democrático de Direito; o vídeo da senhora Tenente-coronel GABRYELA DANTAS, salvo prova em contrário, desvela a conduta desviante de quem toma dados a partir de fonte protegida, busca convalidação não alcançada e, mesmo assim, levianamente publica o que não passa daquilo que, nos tempos modernos, se alcunha “Fake News”; a imprensa – com que contamos e que defendemos –  se distingue dos demais meios de comunicação, exatamente porque assim não se comporta e, quando, ao contrário, o faz, peca mais gravemente que qualquer outro: peca contra sua própria existência, peca contra sua legitimidade, peca contra seus princípios: PECA CONTRA A VERDADE! Azor Lopes da Silva Júnior, Dr., Presidente do IBSP”.

Para nós, pesquisadores do campo científico, a liberdade de imprensa é pilar fundamental da democracia, mas quando praticada na forma como o Jornalismo – que também é área do saber acadêmico – é ensinado nos bancos universitários – qual seja, com respeito à verdade, com comportamento ético e com isenção ideológica.

Em tempo: leiam o artigo de lavra de Amauri Meireles, Coronel da Polícia Militar de Minas Gerais, sobre o episódio: ARTIGO AMAURI MEIRELES

Prof. Dr. Azor Lopes da Silva Júnior, Coronel da Reserva da Polícia Militar do Estado de São Paulo, presidente do IBSP. Currículo: http://lattes.cnpq.br/6088271460892546

Ofício original: OFÍCIO 23-2020 – OFÍCIO GLOBO e ASSOC BRAS JORNALISMO INVESTIGATIVO – 09-12-2020-Manifesto


NOTAS

[1] O vídeo protagonizado pela Tenente-coronel GABRYELA DANTAS e publicado nas redes sociais oficiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro é que abre a matéria jornalística “Porta-voz da PM do RJ é exonerada do cargo após vídeo com ataques a jornalista. Tenente-Coronel Gabryela Dantas classificou como ‘mentirosas’ reportagens de jornalista que fez uma matéria a respeito do uso de munição de batalhão investigado por morte de duas meninas em Duque de Caxias. Entidades de classe repudiaram o vídeo com ataques. (Por Chico Regueira, Pedro Figueiredo e Matheus Rodrigues, TV Globo e G1 Rio, 09/12/2020 15h54)”. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/12/09/porta-voz-da-pm-e-exonerada-do-cargo-apos-video-com-ataques-a-jornalista.ghtml. Acesso em: 09 dez. 2020.

[2]Abraji condena ataque da PMRJ contra o repórter Rafael Soares […] A Abraji manifesta solidariedade a Rafael Soares. A incitação da população contra o jornalista mostra não só falta de respeito à liberdade de imprensa, mas claro objetivo de intimidar o repórter. Diretoria da Abraji, 09 de dezembro de 2020.”. Disponível em: https://www.abraji.org.br/abraji-condena-ataque-da-pmrj-contra-o-reporter-rafael-soares. Acesso em: 09 dez. 2020.

1 comentário em ““SOMOS TODOS TENENTE-CORONEL GABRYELA””

  1. As autoridades, a imprensa falam tanto em “fake news”, e quando vem uma pessoa de bem corrigir o erro cometido, falando a verdade, ela é crucificada por todos. A imprensa hj, infelizmente nos dá nojo, é ataque em cima de ataque, dá saco em assistir ou ler um jornal hj em dia!!!! Espero que tudo se esclareça, pq pessoas de bem Não devem ser punidas!!!!

    Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.