SEGURANÇA PÚBLICA E POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA

O Instituto Brasileiro de Segurança Pública se orgulha de ver o presidente de seu Conselho Deliberativo e Associado Fundador, o Doutor Edson Benedito Rondon Filho, entre os autores da obra que – mais que um livro, é fruto de uma profunda pesquisa de campo – “Segurança pública e população em situação de rua: desafios políticos, ontológicos, epistêmicos e pedagógicos”, revelando sua coerência e fidelidade ao papel que um verdadeiro pesquisador ocupa e realiza na sociedade, olhando para todas as facetas do problema, mesmo quando algumas delas melhor que não fosse vista (melhor ainda que não existisse…).

O lançamento virtual da obra acontece nesta segunda-feira (30/11/2020), a partir das 20h (horário de Brasília) nas seguintes plataformas digitais: (1) https://www.facebook.com/ufgdneab; (2) https://www.youtube.com/channel/UCWz-nB4YncIIyweSl2AYlIw.

A obra pode ser adquirida também emhttps://www.amazon.com.br/Seguran%C3%A7a-p%C3%BAblica-popula%C3%A7%C3%A3o-situa%C3%A7%C3%A3o-rua-ebook/dp/B08N6W632P/ref=sr_1_1?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&dchild=1&keywords=seguran%C3%A7a+p%C3%BAblica+e+popula%C3%A7%C3%A3o+em+situa%C3%A7%C3%A3o+de+rua&qid=1606775348&sr=8-1

Parabéns Edson Rondon, Cláudia Carvalho e Suely Castilho!!!

UM POUCO SOBRE A OBRA…

Esta obra resulta de uma pesquisa de abrangência nacional, financiada pelo Programa das Nações Unidas/PNUD e Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), envolvendo três capitais brasileiras: Cuiabá (MT), São Luiz do Maranhão (MA), Belém do Pará (PA), que busca compreender o quadro relacional entre a população em situação ou condição de rua e os agentes de segurança pública. O objetivo principal é compreender as percepções dos (as) agentes de segurança pública diante das abordagens policiais, os procedimentos de orientação, atendimento e acolhida às pessoas em condição ou situação de rua e como estas pessoas, em extrema vulnerabilidade, constroem suas pedagogias de resiliências às violências e desumanização a que estão cotidianamente expostas. A abordagem é qualitativa com uma primeira fase exploratória seguida de fase descritiva. A coleta de dados tem suporte na pesquisa bibliográfica, grupos focais e entrevistas em profundidade. A análise é sistemática com suporte no software NVivo .10 e nas Epistemologias do Sul. Os resultados apontam para a desintegração do Estado de bem-estar social em detrimento do uso da necropolítica, da precarização da vida geradas pelos efeitos do capitalismo, patriarcado e colonialismo (texto extraído da Amazon).

UM POUCO SOBRE OS AUTORES…


Cláudia Cristina Ferreira Carvalho é nascida na cidade de Cuiabá, capital do Mato Grosso. Doutora em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso /UFMT, com estágio doutoral (sanduíche) junto ao Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra/CES/Portugal (2017). Mestrado em Educação Linha de Pesquisa Formação de Professores pela Universidade Federal de Mato Grosso (2008). Especialista em Educação: A Leitura e a Escrita nas Séries Iniciais (1996) Possui graduação em Pedagogia com Habilitação em Supervisão Escolar (1994). Docente da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Grande Dourados/UFGD; atualmente coordena o Núcleo de Estudos Afro-brasileiro/UFGD; Coordenadora do Centro de Referência em Direitos Humanos do Estado de Mato Grosso (2007-2014); Docente da Academia de Polícia Militar Costa Verde do Estado de Mato Grosso (2008-2015). Docente da Escola Superior de Formação e Aperfeiçoamento de Praças de Mato Grosso (Esfap/MT) (2014-2015). Temáticas de Estudo: Currículo, Formação de Professores, Avaliação Educacional, Epistemologias do Sul, Decolonialidade, Direitos Humanos, Diversidade e Educação, Relações Étnico-raciais, Epistemologias Feministas pós e decoloniais, Violências e Segurança Pública.  http://lattes.cnpq.br/8982560843745120

Suely Dulce de Castilho possui Graduação em Letras, habilitação em Literatura e Língua Portuguesa pela Universidade Federal de Mato Grosso (1995), Mestrado em Educação Linha de Pesquisa Movimentos Sociais pela Universidade Federal de Mato Grosso (2002), doutorado em Educação: Currículo, com ênfase em Antropologia quilombola e Relações Raciais pela PUC/SP (2008). Docente, pesquisadora e orientadora de mestrado e doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE – do Instituto de Educação da UFMT. Tem experiência na área de literatura brasileira, currículo, educação para as relações étnico-raciais, antropologia da educação, educação quilombola; diversidade culturais e educação; relação segurança pública e minorias e movimentos sociais e educação. Membro do Grupo de Pesquisa Movimentos Sociais e Educação (GPMSE – 2016). Líder do Grupo de Pesquisa: Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação Quilombola (GEPEQ), ano de formação: 2016. É autora das obras: Quilombo contemporâneo, educação, família e culturas (EdUFMT, 2011); Diversidade na educação: implicações curriculares, Org. (EDUC, 2016); Educação escolar quilombola: avanços e desafios, Org, (Sustentável, 2019). http://lattes.cnpq.br/3319256499971932

Edson Benedito Rondon Filho é doutor em Sociologia pelo PPGS/UFRGS, na linha de Violência, Criminalização, Cidadania e Direito com estágio doutoral (sanduíche) junto ao Centre de Recherche Sociologique sur le Droit et les Institutions Pénales (CESDIP) / França (2013). Mestre em Educação (IE/ UFMT – 2008). Especialista em Inteligência de Segurança Pública pela FAECC – UFMT (2008). Especialista em Gestão de Segurança Pública pela FAECC- UFMT (2003). Bacharel em Ciências Sociais (UFMT – 2010). Bacharel em Direito pela UFMT (2001). Graduado no Curso de Formação de Oficiais pela Academia de Polícia Militar do Estado de Goiás (1994). Docente convidado da Pós-graduação em Direitos Humanos aplicados à Segurança Pública da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Docente de Criminologia e Sociologia Geral e Jurídica do curso de Direito da Faculdade Católica Rainha da Paz (FCARP). Docente colaborador do Mestrado em Sociologia do PPGS/ UFMT. É associado fundador, presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Brasileiro de Segurança Pública (IBSP) e Editor da Revista do IBSP. http://lattes.cnpq.br/8121682994001478

São José do Rio Preto (SP), 30 de novembro de 2020.

Azor Lopes da Silva Júnior, Dr.

Presidente do Instituto Brasileiro de Segurança Pública

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.