A INFLUÊNCIA DE FATORES COGNITIVOS NOS CRIMES LEVES

Palavras-chave: Crimes leves, Criminalidade, Padrões Cognitivos, Controle Social

Resumo

O crime é um fenômeno que possui origem em diversos fatores e que causa reflexos negativos em diversos ramos da sociedade. Compreender as causas que levam o indivíduo a cometer delitos consiste em uma medida efetiva, uma vez que ações preditivas podem ser realizadas, reduzindo os custos do controle criminal. Considerando o gap de estudos na área, a presente pesquisa visa conhecer a relação entre os crimes leves e os padrões cognitivos dos respectivos autores. Aplicou-se um questionário em 413 indivíduos e entrevista em profundidade em 24 participantes. Os resultados revelam que os autores sentiram-se no direito de cometer os crimes, apresentando uma justificativa para a conduta. A falta de perspectiva de vida e a ausência de credenciais positivos na sociedade brasileira se apresentaram como elementos que influenciam o comportamento criminoso.

Biografia do Autor

Cid Gonçalves Filho, Universidade FUMEC

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1996). Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Minas Gerais (1983). Foi Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade Fumec 2014-2015. Atuou como Coordenador de cursos de Graduação desde 1987, incluindo Coordenador do Curso de Engenharia da Computação (2017-2020, Conceito 4). Foi Coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade FUMEC durante dois mandatos, Conceito 4. É professor do Programa de Doutorado e Mestrado em Administração e professor titular/pesquisador da Universidade FUMEC desde 2004. Também foi professor e coordenador de Cursos a Distância. Autor de livros e artigos publicados nacional e internacionalmente. Recebeu premiações nacionais nacionais e internacionais. Foi convidado como professor visitante do MIT e atuou como assistente de pesquisa na NESTBOSTON, associada ao Projeto PIRP Harvard University. Foi Coordenador do Curso de Tecnologia em Processamento de Dados desde 1987, e Coordenador de Sistemas /Crédito no BEMGE (Banco) e Analista da PROBAM S/A por cerca de 18 anos. É co-fundador da CBRA - Consumer-Brand Relationship Association. Foi lider de Grupo Comportamento do Consumidor Anpad, sendo Lider de Tema em Marketing em 2020-2022 (atual). Atuou com Pesquisa de Mercado na DataConsumer e P&D por 15 anos, com projetos para grandes empresas nacionais e multinacionais, incluindo análise multivariada e técnicas de machine learning. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Mercadologia e Estratégia, atuando principalmente nos seguintes temas: marketing, marketing digital, start ups, métodos ágeis, comportamento do consumidor, marcas, marketing viral e mobile, lealdade e empreendedorismo/inovação. Tem experiência na área de Tecnologia da Informação como Analista, Coordenador de Sistemas e Coordenador de Cursos de Lato Sensu, Tecnologo e Graduação. Possui formação CSPO Product Owner, TKP Kanban, Lean Inception e PBB Product Backlog Linha de Pesquisa: Estratégia e Tecnologias em Marketing.

CV: http://lattes.cnpq.br/3574306384505737

Stanley Araújo Pena, Universidade FUMEC

Doutorando em Administração pela Universidade FUMEC. É Mestre em Administração pela Faculdade de Estudos Administrativos - FEAD (2013): Gestão Estratégica das Organizações - Gestão Pública. Possui Especialização em Gestão de Projetos pelo Centro Universitário Cesumar (2017) e Graduação em Ciências Militares pela Academia da Polícia Militar de Minas Gerais (2009). É Capitão da Polícia Militar de Minas Gerais e Professor da Faculdade Pitágoras.

CV: http://lattes.cnpq.br/2788915842391085

Referências

ANDERSON, N. E., & KIEHL, K. A.. Psychopathy: developmental perspectives and their implications for treatment. Restorative neurology and neuroscience, 32(1), 2014, 103–117. https://doi.org/10.3233/RNN-139001.

BANDEIRA, T., & PORTUGAL, D. Criminologia. [s.l.]: Universidade Federal da Bahia, 2017.

BEAVER, K. M., BARNES, J. C., MAY, J. S., & SCHWARTZ, J. A. Psychopathic personality traits, genetic risk, and gene-environment correlations. Criminal Justice and Behavior, 38(9), 2011, 896-912.

BECKER, G. S. Crime and Punishment: An Economic Approach. Journal of Political Economy. Columbia Universit, 1968, 169–217. https://doi.org/10.1002/9780470752135.ch25

BOBBIO, N. Thomas Hobbes. In Giulio Einaudi (Ed.), Fondo De Cultura Económica: Vol. segunda ed (2nd ed.), 1992.

BRASIL. Lei Federal no. 9.099, de 26 de setembro de 1995.

CERQUEIRA, D. Causas e Conseqüências do Crime no Brasil. [s.l]: BNDES (ed.), 2014.

CERQUEIRA, D., & COELHO, D. S. C. Redução da Idade de Imputabilidade Penal, Educação e Criminalidade Violenta no Brasil. Nota Técnica No 15: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 25, 2015.

CERQUEIRA, D., & MOURA, R. L. de. O efeito das oportunidades no mercado de trabalho sobre as taxas de homicídios no Brasil. Anais Do XLIII Encontro Nacional de Economia, 2015. Disponível em: https://econpapers.repec.org/paper/anpen2015/. Acesso em: 11 nov. 2021.

COLLEGE OF POLICING – UK. What works in policing to reduce crime: Zero-tolerance policing, 2021. Disponível em: https://whatworks.college.police.uk/Research/overview/Pages/Zero-tolerance.aspx Acesso em: 11 nov. 2021.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Justiça em números 2017. Disponível em: https://www.conjur.com.br/dl/justica-numeros-2017.pdf Acesso em 11 nov.2021.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Diagnóstico da investigação de homicídios no Brasil (Estratégia Nacional de Justiça e Segurança Pública (ed.)), 2012.

DEUTSCHE WELLE (2018) Criminalidade - Falta de perspectiva estimula violência entre refugiados. Deutsche Welle. Disponível em https://www.dw.com/pt-br/estudo-afirma-que-falta-de-perspectiva-estimula-viol%C3%AAncia-entre-refugiados/a-42014578 Acesso em: 26 dez. 2021.

DURKHEIM, É. (2004). As Regras do Método Sociológico. 9ª ed. Queluz de Baixo: Editorial Presença, 2004.

EDELMAN TRUST BAROMETER. Relatório nacional: Confiança no Brasil + Global, 2021. Edelman Brasil. Disponível em: https://www.edelman.com.br Acesso em: 3 dez. 2021.

EUROPEAN INSTITUTE FOR CRIME PREVENTION AND CONTROL. International Statistics on crime and justice. In International Statistics on Crime and Justice. 2010.

FARIAS, P. Respeito às Funções Urbanísticas e a Prevenção da Criminalidade Urbana: Uma Visão Integrada à Luz da Escola de Chicago. Direito Público, 1(15), 2007, 40–64. https://doi.org/10.11117/22361766.15.01.02

FERRO, A. L. A. (2008). Sutherland: A Teoria da Associação Diferencial e o crime de colarinho branco. De Jure - Revista Jurídica Do Ministério Público de Minas Gerais, 144–167. Disponível em: https://aplicacao.mpmg.mp.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/102/Sutherland_Ferro.pdf?sequence=1 Acesso em: 3 dez. 2021.

FORNELL, C.; LARCKER, D. F. Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error, Journal of Marketing Research, Vol. 18 No.1, 1981, pp. 39-50.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS. Relatório Índice de Confiança na Justiça, 2017. Fundação Getúlio Vargas. Escola de Direito de São Paulo., 32. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/19034 Acesso em: 6 dez. 2021.

HAIR, J.F.; BLACK, W.C.; BABIN, B.J.; ANDERSON, R.E. (2019), Multivariate Data Analysis. 8th Edition, Cengage Learning EMEA, 2019, 813 p.

HIRSCHI, T. Causes of delinquency. Berkeley.University of California, 1969.

HOBBES, T. Leviatã ou matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. São Paulo: M. Fontes, 2003.

HU, L. T.; BENTLER, P. M. Cutoff criteria for fit indexes in covariance structure analysis: Conventional criteria versus new alternatives. Structural equation modeling: a multidisciplinary journal, Vol.6, No.1, 1999, pp.1-55.

HUSMAN, J., SHELL, D. F. Beliefs and perceptions about the future: A measurement of future time perspective. Learning and individual differences, 18(2), 2008, 166-175.

INSTITUTE OF BEHAVIORAL RESEARCH. Criminal Thinking Scales. TCU - Texas Christian University, 2005. Disponivel em http://ibr.tcu.edu/wp-content/uploads/2013/06/TCU-CTS-AFS.pdf acesso em 27/12/2021.

JOHNSON, S. A. Understanding the violent personality: Antisocial personality disorder, psychopathy, & sociopathy explored. Forensic Research & Criminology International Journal, 7(2), 2019, 76-88.

JUSTICE CRIMINAL. Rational Choice Theory, 2018. Disponível em: http://criminaljustice.iresearchnet.com/criminology/theories/rational-choice-theory/5/ Acesso em: 7 dez. 2021.

IPEA. Custo da juventude perdida no Brasil. In Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ed.), Desafios à trajetória profissional dos jovens brasileiros , 2014, pp. 291–320. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/artigos/5655-livrodesafioscompleto-web-compactado.pdf Acesso em: 07 dez. 2021.

IPEA. Indicadores multidimensionais de educação e homicídios nos territórios focalizados pelo Pacto Nacional pela Redução dos Homicídios. Nota Técnica No. 18, 2016, 1–52. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/160510_notatecnica_diest_18.pdf Acesso em: 07 dez. 2021.

JORDAN, M. J.; ROGERS, R.; NEUMANN, C. S.; NORLANDER, B. Evaluating the positive and negative benefits of crime: Development and validation of the Decisional Balance Scale for Adolescent Offenders (DBS-AO). Journal of Criminal Justice, 41(2), 2013, 108-114.

KNIGHT, K.; GARNER, B. R.; SIMPSON, D. D.; MOREY, J. T.; FLYNN, P. M. An assessment for criminal thinking. Crime & Delinquency, 52(1), 2006, p. 159-177.

LYU, H., & HUANG, X. Development and validation of future time perspective scale for adolescents and young adults. Time & Society, 25(3), 2016, p. 533-551.

MACEDO, F. L., E MASSNINI, L. A. Psicopatia e sociopatia: uma revisão da literatura. Revista InterCiência-IMES Catanduva, 1(3), 2019, p. 52-52

MHA. Psychopathy vs Sociopathy, 2021. Mental Health North America. disponivel em: https://www.mha-em.org/im-looking-for/mental-health-knowledge-base/conditions/127-psychopathy-vs-sociopathy Acesso em: 26 dez. 2021.

PINTO, G.; HIRDES, A. O processo de institucionalização de detentos: perspectivas de reabilitação e reinserção social. Esc. Anna Nery Rev. Enferm, 10(4), p. 678-683, 2006.

RIBEIRO, A. R. A. A personalidade e o autocontrolo dos ofensores de colarinho branco e dos ofensores comuns: um estudo comparativo, 2016 [Universidade do Porto]. https://repositorioaberto.up.pt/bitstream/10216/89614/2/169310.pdf

RINGLE, C.; DA SILVA, D.; BIDO, D (2015), Structural equation modeling with the SmartPLS, Brazilian Journal of Marketing, Vol.13, No.2, 2015, p. 56-73.

PARK, Robert E.; BURGESS, Ernest W. The City. The University of Chicago, 1925.

SANTOS, G. A. dos; MELO, A. F. M. de. A realidade da justiça em números: um estudo sobre as principais causas da morosidade da justiça. Revista Brasileira de Direitos Fundamentais e Justiça, 3(36), 2017, p. 95–114.

SERVA, M. (2001). O fato organizacional como fato social total. Revista de Administração Pública, 2001, 5(3).

SILVA FILHO, A. P. C.; DE OLIVEIRA MELO, T.; CADÉ, B. C. A Reincidência Criminal em uma Abordagem Fenomenológica: Um Estudo na Penitenciária Padrão Regional de Campina Grande. Revista Direitos Humanos e Democracia, 7(14), 2019, p. 263-286.

SUTHERLAND, E. H. White-Collar Criminality. American Sociological Review, 5(1), 1940, p. 1–12.

Tribunal Superior Eleitoral.. Estatísticas Eleitorais, 2021. Disponível em: https://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/estatisticas-eleitorais Acesso em: 2 dez. 2021.

UNODC. Pobreza e Desemprego: principais fatores que influenciam o tráfico de pessoas no Brasil, 2021. Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC). Disponivel em: https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/frontpage/2021/09/pobreza-e-desemprego-principais-fatores-que-influenciam-o-trafico-de-pessoas-no-brasil.html Acesso em: 26 dez. 2021.

VELASCO, R. V., BOGGS, J. B., REDFIELD, P. A., KIJANCZUK, K. A., FRETZ, R. J., SCHOFIELD, D. D., KNIGHT, K. An Evaluation of an In-prison Therapeutic Community: Treatment Needs and Recidivism. Fed. Probation, 2019, p. 83, 9.

VELÁSQUEZ, D., MEDINA, S., YAMADA, G., LAVADO, P., NUNEZ-DEL-PRADO, M., ALATRISTA-SALAS, H., & MORZÁN, J. (2020). I read the news today, oh boy: The effect of crime news coverage on crime perception. World Development, 2020, 136. https://doi.org/10.1016/j.worlddev.2020.105111

VIANA, E. Criminologia. 9ª ed. São Paulo: Juspodivm, 2021.

WALTERS, G. D. Criminal lifestyle. SAGE Publications, Incorporated, 1990.

WALTERS, G. D. Modelling the criminal lifestyle: Theorizing at the edge of chaos. Springer, 2017.

WALTERS, G. D. Criminal Belief Systems: An Integrated-Interactive Theory of Lifestyles. ABC-CLIO, 2002a.

WALTERS, G. D. The psychological inventory of criminal thinking styles (PICTS) A review and meta-analysis. Assessment, 9(3), 2002b, 278-291.

WALTERS G.D. Lifestyle Theory. In: Bruinsma G., Weisburd D. (eds) Encyclopedia of Criminology and Criminal Justice. Springer, New York, NY, 2014

WALTERS, G. D. Modelling the criminal lifestyle: Theorizing at the edge of chaos. Springer, 2017

WALTERS, G. D. Criminal thinking: Theory and practice. The Wiley international handbook of correctional psychology, 2019, p. 637-653.

WALTERS, G. D. Explaining the drug-crime connection with peers, proactive criminal thinking, and victimization: Systemic, cognitive social learning, and person proximity mechanisms. Psychology of Addictive Behaviors, 35(3), 2021, 366.https://doi.org/10.1007/978-1-4614-5690-2_509

WANG, Y., XU, K., CAO, G., QIAN, M., SHOOK, J., AI, A. L. Child maltreatment in an incarcerated sample in China: Prediction for crime types in adulthood. Children and Youth Services Review, 34(8), 2012, p. 1553–1559. https://doi.org/10.1016/j.childyouth.2012.04.015

YOCHELSON, Samuel; SAMENOW, Stanton. The criminal personality: A profile for change. Vol. 1. Jason Aronson, 1976.

ZHI, K.; YANG, J.; CHEN, Y.; AKEBAIJIANG, N.; LIU, M.; YANG, X.; ZHANG, S. The relationship between future time perspective and psychological violence among Chinese college students. Frontiers in psychology, 12, 53, 2021.
Publicado
2022-05-04
Como Citar
Filho, C., & Pena, S. (2022). A INFLUÊNCIA DE FATORES COGNITIVOS NOS CRIMES LEVES. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 5(11), 101-121. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v5i11.174