POLÍCIA CIVIL E O TRATAMENTO INTELIGENTE DE INFORMAÇÕES COMO ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA E DE PREVENÇÃO À PRÁTICA DE ATOS INFRACIONAIS

Palavras-chave: PALAVRAS-CHAVE: polícia judiciária, inteligência estratégia, menor infrator, segurança pública, política pública., Polícia Judiciária, Inteligência Estratégica, Criança e adolescente infrator, Segurança Pública, Política Pública

Resumo

O presente trabalho priorizou apresentar o singular papel da Polícia Civil enquanto Polícia Judiciária como distinto aliado do Estado na prevenção de atos infracionais e de crimes em geral, tendo em vista a inequívoca aproximação da verdade real, pela instituição, através da investigação. A pesquisa buscou demonstrar que os resultados obtidos pela Polícia Civil, se tratados pelo Núcleo de Inteligência Estratégia inerente à instituição, poderão assessorar e subsidiar o gestor na tomada de decisões e contribuir no combate à violência. A abordagem foi qualitativa e objetivou, precipuamente, revelar que a instituição Polícia Civil contribui com dados peculiares e extremamente importantes que, se tratados com inteligência estratégica, levados ao conhecimento Estado por meio dos gestores da segurança pública, e reconhecidos, poderão contribuir com políticas públicas eficientes e de prevenção.

 

Biografia do Autor

Danilo Fabiano Carvalho e Oliveira, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Possui Graduação - Bacharel em Direito - pela Universidade do Estado de Minas Gerais - Fundação Educacional de Ituiutaba - Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba (2001). Exerce a função de Delegado de Polícia desde 02/02/2004. Atuou como Delegado de Polícia Regional da 8.ª Delegacia Regional de Polícia de Rio Verde-GO (04/12/2009-05/04/2016 e de 04/02/2019 a 17/07/2019). Ocupou o cargo de Superintendente da Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Goiás no período de 04/2016 a 02/2019. Atuou como Delegado de Polícia (Classe Especial) Titular da DEPAI (Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais de Rio Verde/GO - 08/2019-09/2020), Delegado de Polícia do G.I.H. (Grupo de Investigação de Homicídios de Rio Verde/GO - 08/2019-09/2020). Atualmente é Delegado de Polícia da Subdelegacia de Polícia de Porteirão/GO, desde 2019, Delegado Titular do GEPATRI-Grupo Especial de Repressão a Crimes Patrimoniais de Rio Verde-GO. Foi professor de ensino de nível superior da UNIBRÁS - Rio Verde/GO (2012-2020). Tem vasta experiência na área do Direito, com especialização em Direito Penal (curso de pós-graduação lato sensu em Ciências Penais) pela Universidade Anhanguera-Uniderp (2009-2010), Mestrado em Ciências Ambientais pela Universidade BrasiL - Instituto de Ciência e Educação de São Paulo (2017) e, atualmente, é Doutorando pela UFG-Universidade Federal de Goiás (Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos).

CV: http://lattes.cnpq.br/7574870446046967

Francisco Mata Machado Tavares, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Graduado em Direito, mestre e doutor em Ciência Política pela UFMG. Realizou pesquisa de pós-doutorado na Faculdade de Direito da Universidade de Brasília, em 2020. Frequentou, em 2012, a "London Critical Theory Summer School", na Universidade de Londres. É professor universitário desde 2004, com atuação em instituições como UFMG, UFOP, UFFS e UFG, dentre outras. Antes de se dedicar exclusivamente à academia, atuou como advogado no âmbito do direito tributário, para o setor privado, do direito administrativo, para sindicatos de servidores públicos e a título de "pro bono", para movimentos sociais. Atualmente, é professor associado da Faculdade de Direito da UFG, onde é vice-coordenador do programa de Pós-Graduação em Direito e Políticas Públicas (mestrado) e docente permanente no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos (mestrado e doutorado). Conduz pesquisas científicas e orienta trabalhos atinentes aos seguintes temas: i) sociologia fiscal; ii) direito tributário e; iii) teoria política. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas Sócio-fiscais, GESF. Recebe bolsa de produtividade do Programa de Pós-graduação em Direito e Políticas Públicas - PPGDP, obtida por meio de aprovação em processo seletivo.

CV: http://lattes.cnpq.br/2283526225862308

Referências

AMARAL E SILVA, Antônio Fernando. Comentários do debatedor. In SIMONETTI, C. et. alii (Org.). Do avesso ao Direito. São Paulo: Malheiros, 1994, p. 37.

BAPTISTA, M. V. Algumas reflexões sobre o sistema de garantia de direitos. In: Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n.109, p.179-199, jan/mar. 2012. Disponível em: . Acesso em abr. 2021.

BAUMAN, Zygmunt. Em busca da política. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

BERETTA, R. C. de S. Um dos desafios da questão social: adolescentes em cumprimento de medida educativa em Araraquara. SP, 2010, 228p. Tese (Serviço Social). Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Franca, 2010.

BOBBIO, N. A era dos direitos. 8 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BOTELHO, Erlon Dias do Nascimento Botelho. Desenvolvimento da atividade de inteligência no corpo de bombeiros militar de minas gerais (p. 123-146) – HAMADA, Hélio Hiroshi; MOREIRA, Renato Pires [Orgs.] Inteligência de segurança pública e cenários prospectivos da criminalidade – Série inteligência, estratégia e defesa social – Belo Horizonte: Editora D’Plácido, 2016.

CANTINI, A. H. A proteção dos direitos da criança e do adolescente no Brasil. In: Revista Sociais e Humanas, Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, v.21, n.2, 2008. Disponível em: . Acesso em jun. 2021.

COHEN, M. D., MARCH, J. G., & OLSEN, J. P. (1972). A Garbage Can Model of Organizational Choice. Administrative Science Quarterly, 17(1), 1–25. https://doi.org/10.2307/2392088. Acesso em: jan./2021.

CURI, Luiz Roberto Liza. MEC RECONHECE CIÊNCIAS POLICIAIS COMO ÁREA DO SABER. Rev. SUSP – Instituto Brasileiro de Segurança Pública: 2019. Disponível em: https://ibsp.org.br/mec-reconhece-ciencias-policiais-como-area-do-saber/. Acesso em: mar./2021.

GONÇALVES, Antônio Sérgio Gonçalves; GUARÁ, Isa Maria F. Rosa. Redes de proteção social / [coordenação da publicação Isa Maria F. R. Guará]. 1. ed. – São Paulo: Associação Fazendo História: NECA – Associação dos Pesquisadores de Núcleos de Estudos e Pesquisas sobre a Criança e o Adolescente, 2010. (Coleção Abrigos em Movimento).

LEITE, Carla Carvalho. Da doutrina da situação irregular à doutrina da proteção integral: aspectos históricos e mudanças paradigmáticas. Juizado da Infância e da Juventude, Porto Alegre, n. 5, p. 9-24, mar. 2005.

LOIC, Wacquant. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos / Loic Wacquant. - Rio de Janeiro: F. Bastos, 2001, Revan, 2003. 168p.

MIRAGLIA, P. Aprendendo a lição: uma etnografia das varas especiais da infância e da juventude. Novos Estudos. n. 72, julho de 2005, p. 79–98.

MORAES, Bismael Batista. Direito e Polícia: Uma introdução à Polícia Judiciária. São Paulo: RT, 1986.

PAIXÃO, Luiz Antônio. Crime, controle social e consolidação da democracia: as metáforas da cidadania. In. REIS, F.W.; O’DONNELL, G. (Org.). A Democracia no Brasil: dilemas e perspectivas. São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais, p.168-199, 1988.

PANDOLFI, Dulce Chaves et al.. Cidadania, justiça e violência. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1999.

PIRES, José Carlos. Segurança Pública: uma inovação na gestão. 1. ed. Jundiaí, SP: Paco, 2017.

PLATT, Washington. Produção de informações estratégicas. Tradução dos: Major Álvaro GaIvão Pereira e Capitão Heitor Aquino Ferreira. Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército; Livraria Agir Editora, 1974. 328 p. 21 cm. (Coleção General Benício, v. 123, publ. 445). Inclui bibliografia. 1. Estratégia. 2. Informação, Teoria da,. J. Série. II. Título.

PONCIONI, Paula. O MODELO POLICIAL PROFISSIONAL E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO FUTURO POLICIAL NAS ACADEMIAS DE POLÍCIA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Rev. Sociedade e Estado, Brasília, v. 20, n. 3, p. 585-610, set./dez. 2005. Disponível em: < https://www.scielo.br/j/se/a/YyvWW87zPp6XKF7CCkjzrTs/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: jan/2021.

SAPORI, Luis Flávio. Segurança Pública no Brasil: desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

SILVA, A. L. Júnior (2021). Ensaio sobre a luta das ciências policiais no campo científico: um estudo comparado. Revista Do Sistema Único De Segurança Pública, 1(1). Recuperado de . Acesso em fev. 2021. GOLDSTEIN, H. Policiando uma sociedade livre. Tradução de Marcello Rollemberg. Série Polícia e Sociedade, n. 9. São Paulo: EdUSP, 2003.

SOARES, Luis Eduardo. Meu casado de general: 500 dias no front da Segurança Pública do Rio de Janeiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SOUZA, Robson Sávio Reis. Quem comanda a segurança pública no Brasil?: atores, crenças e coalizões que dominam a política nacional de segurança pública. Belo Horizonte, MG: Letramento, 2015.

VERONESE, Josiane Rose Petry; COSTA, Marli Marlene M. Humanismo e infância: a superação do paradigma da negação do sujeito. Humanismo latino e estado no Brasil. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2003, p. 421-452. Disponível em: . Acesso em mar. 2021.

ZALUAR, Alba. Democratização inacabada: fracasso da segurança pública. Estudo Avançados, São Paulo, v.21, n.61, set./dez. 2007.
Publicado
2022-05-04
Como Citar
Carvalho e Oliveira, D., & Tavares, F. (2022). POLÍCIA CIVIL E O TRATAMENTO INTELIGENTE DE INFORMAÇÕES COMO ESTRATÉGIA DE ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA E DE PREVENÇÃO À PRÁTICA DE ATOS INFRACIONAIS. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 5(11), 58-70. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v5i11.167