GÊNERO E EQUIDADE

polícia, lugar de mulheres?

Palavras-chave: Polícias, Lugar, Mulheres, Direitos Humanos, Equidade

Resumo

No Estado de Goiás, duas polícias, mais do que sesquicentenárias, cumprem suas missões constitucionais de prestar o serviço de segurança pública à sociedade. Mulheres dividem com os homens o ambiente interno da Polícia Militar e da Polícia Civil, no nível operacional, gerencial e estratégico da estrutura institucional. Este texto tem o objetivo de analisar a percepção de integrantes das instituições policiais sobre o lugar das mulheres na Polícia. Trata-se de pesquisa que apresenta aportes teóricos e conceituais sobre relações de poder nas corporações, estigma, relações de gênero e hierarquização social sob a ótica dos Direitos Humanos. O procedimento metodológico incluiu um levantamento bibliográfico e a aplicação de questionário, empregando a técnica de amostragem por conveniência, com produção de resultados que refletem o universo pesquisado a partir da disponibilidade de respondentes sobre a temática polícia, relações de gênero e equidade.

Biografia do Autor

Luciana de Oliveira Dias, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Antropóloga, com estudos pós-doutorais em Direitos Humanos e Interculturalidades pela Universidade de Brasília - UnB (Supervisão de Rita Laura Segato). Estudiosa do pensamento feminista negro e bolsista de produtividade em pesquisa nível 2 do CNPq, possui Doutorado e Mestrado em Ciências Sociais pela UnB e Graduação (bacharelado e licenciatura) em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Goiás - UFG. Realizou Estágio Doutoral em Educação Intercultural na Universidad Nacional Autónoma de México - UNAM. Associada a: ABA (Associação Brasileira de Antropologia), atualmente é Diretora da ABA e foi coordenadora do Comitê de Antropólogas/os Negras/os da ABA no biênio 2019-2020; ANDHEP (Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós-Graduação); SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência); ABPN (Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as), tendo sido editora da Revista da ABPN no biênio 2017-2018; e IPSA (International Political Science Association). Atualmente é Professora Associada da UFG, com atuação na Secretaria de Inclusão (SIN/UFG), na Faculdade de Ciências Sociais (FCS), na Educação Intercultural Indígena (Núcleo Takinahaky); no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos (PPGIDH), tendo sido coordenadora deste Programa no período de 2014 a 2016; e, no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS), tendo sido coordenadora deste Programa no período de 2019 a 2020. É coordenadora e líder do Grupo de Pesquisa no CNPq: Coletivo Rosa Parks: Estudos e Pesquisas sobre Raça, Etnia, Gênero, Sexualidade e Interseccionalidades - UFG; e, Coordenadora de Pesquisa do Núcleo de Direitos Humanos - NDH-UFG. Tem experiência na área de Ciências Sociais na América Latina e Antropologia das Populações Afro-brasileiras, atuando principalmente nos seguintes temas: Relações étnico-raciais e de gênero; Direitos Humanos; Educação intercultural indígena; Migrações internacionais. 

CV: http://lattes.cnpq.br/9317426815646934

Glauco Leão Ferreira Alves, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Doutorando do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos da Universidade Federal de Goiás; Mestre em Agronegócio pela Universidade Federal de Goiás, na área de concentração em Sustentabilidade e Competitividade dos Sistemas Agroindustriais, linha de pesquisa Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional; Especialista em Gestão do Agronegócio pela Universidade Federal de Goiás; Especialista em Formação em Educação à Distância pela Universidade Paulista - UNIP; Bacharel em Administração Pública pela Universidade Federal de Goiás; Bacharel em Direito pela Universidade de Rio Verde; Curso de Formação de Oficiais da Polícia Militar do Distrito Federal; Bacharel em Teologia pela Faculdade de Teologia de Boa Vista; Técnico Agropecuário-CEFET/ Rio Verde. Coordenador do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Perícia, Auditoria e Direito Tributário da Faculdade Araguaia - Goiânia/GO, de março de 2013 até dezembro de 2014. Professor de Fundamentos da Logística, Logística Integrada, Desenvolvimento Sustentável, Avaliação de Desempenho e Fundamentos da Administração do Curso Superior de Tecnologia da Universidade Paulista - UNIP; Professor de Direitos Humanos e Princípios Éticos da Escola Superior da Polícia Civil do Estado de Goiás - ESPC; Professor das disciplinas Gestão de Riscos, Padrões e Sistema de Policiamento, Logística, Direitos Humanos dos Cursos de Pós-Graduação da área de Segurança Pública da Faculdade Serra da Mesa - FASEM, instrutor da Escola de Governo Henrique Santillo desde maio de 2014, Professor de Organização e Logística da Academia da Polícia Militar do Estado de Goiás e Professor do Instituto Lato Sensu em Segurança Pública, Gestão Pública e Recursos Humanos. Tem experiência na área de Segurança Pública, com ênfase em Direitos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: Logística, Gestão de Riscos, Gestão Pública, Padrões e Sistema de Policiamento.

CV: http://lattes.cnpq.br/1844737589096676

Ana Paula de Toledo Vieira, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Possui graduação em Gestão em Segurança Pública pela Universidade Estadual de Goiás (2005) , graduação em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Universidade Católica de Goiás (2002), especialização pela Faculdade Lions em Auditoria em Serviços de Saúde (2009), mestrado em Medicina Tropical e Saúde Pública pela Universidade Federal de Goiás (2012), atuando principalmente em parasitologia e histologia, atualmente é aluna de doutorado em Direitos Humanos, no Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Direitos Humanos na Universidade Federal de Goiás. Atuou como professora adjunta no Programa de Pós Graduação e Extensão do Comando da Academia da Polícia Militar do Estado de Goiás, foi Professora na Faculdade Lions em Goiânia (GO) e na Faculdade de Itapuranga, em Itapuranga (GO), Professora no Colégio e Faculdade Sul D'América em Aparecida de Goiânia (GO) e professora dos cursos de Pós-graduação no Instituto Brasileiro de Extensão Educacional (IBEED) em Goiânia (GO) .Tem experiência na área de Estudos Sociais de Polícia, Metodologia Científica, Políticas de Saúde em Segurança Pública e Parasitologia.

CV: http://lattes.cnpq.br/4342249399592371

Referências

BALESTRERI, R. B. Direitos Humanos: coisa de polícia. Passo Fundo-RS: CAPEC, Paster Ed., 1998.

BICKMAN, L. & ROG, D.J. Handbook of Applied Social Research Methods. Thousand Oaks, Sage, 1997.

BIERNACKI, P. & WALDORF, D. Snowball Sampling: problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods & Research, vol. nº 2, November. 141-163p, 1981.

BOURDIEU, P. trad. Maria Helena Kuhner. A Dominação Masculina. 14ºed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução: Renato Aguiar. 17ª. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2019.

CARVALHO, Felipe Mio de.; MOTERANI, Geisa Maria Batista. Misoginia: a violência contra a mulher numa visão histórica e psicanalítica. Avesso do avesso, v. 14, n. 14, p. 167- 178, novembro 2016.

DAFT, Richard L. Teoria e Projeto das Organizações. Tradução de Dalton Conde Alencar. Revisão Técnica de Geraldo Nunes. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

DAVIS, Angela. Mulheres, Raça e Classe. Candiani, Heci Regina. São Paulo: Boitempo, 2016.

DIAS, Luciana de Oliveira; ROSA, Fabrício Silva. Polícia tem Gênero? Algumas Reflexões sobre Mulheres e Feminino na Segurança Pública Brasileira. Revista Ártemis, Vol. XVIII n.º 1; jul-dez, 2014. Pg. 160-171.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1999.

FLEURY, Maria Tereza Leme. Cultura e Poder nas Organizações. São Paulo: Atlas, 1996.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA - FBSP. As Mulheres nas Instituições Policiais. Apresentação de Pesquisa, 2015. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/storage/publicacoes/FBSP_Mulheres_instituicoes_policiais_2015.pdf. Acesso em: 05 set. 2021.

FREITAS, Maria E. Cultura Organizacional: formação, tipologias e impactos. São Paulo: Makron Books; McGraw-Hill,1991.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes (Trad.). Rio de Janeiro: LTC, 1975.

GOIÁS. Lei n.º 9.967, de 14 de janeiro de 1986. Dispõe sobre a organização básica da Polícia Militar do Estado de Goiás e dá outras providências. Disponível em: http://www.gabinetecivil.go.gov.br/pagina_leis.php?id=6065. Acesso em: 25 ago. 2021.

___________. Lei n.º 12.608, de 17 de abril de 1995. Extingue os Quadros de Oficiais e Praças Policiais Militares Femininos e dá outras providências. Disponível em http://www.gabinetecivil.goias.gov.br/leis_ordinarias/1995/lei_12608.htm. Acesso em: 25 ago. 2021.

___________. Lei n.º 16.901, de 26 de janeiro de 2010. Dispõe sobre a Lei Orgânica da Polícia Civil do Estado de Goiás e dá outras providências. Disponível em: https://legisla.casacivil.go.gov.br/pesquisa_legislacao/88625/lei-16901. Acesso em: 06 set. 2021.

HALL, Richard H. Organizações: estruturas, processos e resultados. São Paulo: Prentice Hall, 1999.

KANAANE, Roberto. Comportamento Humano nas Organizações: o homem rumo ao século XXI. São Paulo: Atlas, 1995.

LARA, L.D.; MACÊDO, M.; CORRÊA, E.C.C. A Formação das Instituições Policiais no Mundo e sua Influência no Desenvolvimento da Polícia Brasileira. ANAIS PENSAR XXI, 2020.

MENDES, L.E.S.O. Casa-Abrigo: solução ou solidão de direitos? Análise da política de abrigamento para mulheres em risco de feminicídio no Distrito Federal. Dissertação de mestrado – UFG, 2021.

MONET, J. C. Polícias e Sociedades na Europa. 1 ed. São Paulo: Edusp, 2001.

OLIVEIRA, L.S. Teto de Vidro: relações de gênero, relações de poder e empoderamento das mulheres na polícia militar. Tese de doutoramento – UFBA, 2012.

PATEMAN, C. O Contrato Sexual. Tradução: Marta Avancini. 2ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2020.

PIMENTA, Bruno Garajau. Construção da História da Polícia Civil de Goiás. Material de Pesquisa, 2004.

RIBEIRO, L. Polícia Militar é Lugar de Mulher? Rev. Estudos Feministas, Florianópolis – SC, 2017.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, Patriarcado, Violência. 2ª. ed. São Paulo: Expressão Popular; Fundação Perseu Abramo, 2011.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Tradução: Christine Rufino Dabat e Maria Betânia Ávila, SOS CORPO, 1995.

SIQUEIRA, Ranyella Cristina de; CARDOSO JUNIOR, Hélio Rebello. O Conceito de Estigma como Processo Social: uma aproximação teórica a partir da literatura norte-americana. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 2011.

STONER, James A. F.; FREEMAN, R. Edward. Administração. Rio de Janeiro: Prentice Hall, 1995.

VIEIRA, H.; SILVA, O. História da Polícia Civil de São Paulo. São Paulo, Brasiliana, 1955.
Publicado
2022-05-04
Como Citar
Dias, L., Alves, G., & Vieira, A. P. (2022). GÊNERO E EQUIDADE. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 5(11), 38-57. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v5i11.165