ARMA DE FOGO E CRIMINALIDADE

o que sabemos?

Palavras-chave: armas de fogo, crimes violentos, tráfico de drogas, gangues, cultura de armas

Resumo

O artigo traz uma análise acerca da relação entre as armas de fogo e a criminalidade, levando-se em consideração os diversos aspectos socioeconômicos e culturais que influenciam o fenômeno criminal. Por meio de uma pesquisa bibliográfica, o presente estudo busca entender o papel das armas de fogo nos diversos contextos criminais, em especial a estreita relação das armas com o tráfico de drogas, com as gangues e com os crimes de roubo. Também é abordado no presente estudo a simbologia e a existência ou não de uma cultura das armas nos diversos territórios onde os crimes violentos são registrados. 

Biografia do Autor

Tomás Hilário Cardoso Ferreira, Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG)

Possui graduação em CURSO DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS - Polícita Militar do Estado de Minas Gerais (2007). Graduado em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Especialização Lato Sensu em Inteligência de Segurança Pública e Cenários Prospectivos de Criminalidade - Polícia Militar do Estado de Minas Gerais (2015) Mestrando em Segurança Pública e Cidadania pela Universidade do Estado de Minas Gerais.

CV: http://lattes.cnpq.br/5975398657600453 

Antônio Hot Pereira de Faria, Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG)

Doutor em Geografia - Tratamento da Informação Espacial pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas). Mestre em Administração pela Faculdade de Estudos Administrativos de Minas Gerais (2012), possui graduação em Ciências Militares pela Academia de Polícia Militar de Minas Gerais (2007) e graduação em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (2009). Oficial da Polícia Militar de Minas Gerais. Membro do Instituto Brasileiro de Segurança Pública (IBSP) e da Academia de Letras João Guimarães Rosa. Tem experiência profissional na área de Administração Pública, com ênfase em Segurança Pública, Operações de Controle de Distúrbios, Planejamento Operacional e Patrulhamento Tático. Experiência docente nas disciplinas de Análise Criminal e Metodologia científica. Produção acadêmica focada nos estudos de criminologia ambiental, análise espacial da distribuição de crimes, criminosos em série, perfil geográfico (geographic profiling), jornada para o crime (journey to crime), Hot Spots Patrol Strategy, Evidence-based policing.

CV: http://lattes.cnpq.br/1883311701870888 

 

Referências

AZEVEDO, Ana Luísa Vieira de; RICCIO, Vicente; RUEDIGER, Marco Aurélio. A utilização das estatísticas criminais no planejamento da ação policial: cultura e contexto organizacional como elementos centrais à sua compreensão. Ciência da Informação. Brasília. v. 40, n (1), p.9-21. Jan/abr 2011.

BEATO, Cláudio C.; REIS, Ilka Afonso. Desigualdade, desenvolvimento socioeconômico e crime. In: HENRIQUES, Ricardo (org). Desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro, IPEA, 2000.

BRASIL. Decreto-Lei 2.848, de 07 de dezembro de 1940. Código Penal. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 31 dez. 1940.

BRASIL. Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003. Estatuto do desarmamento. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 23 dez. 2003.

CERQUEIRA, Daniel. Ricardo de Castro. et al. Atlas da Violência 2019. Brasília: IPEA, 2019.

COSTA, Carlos André Viana da. “Novo Cangaço” no Pará: A regionalização dos assaltos e seus fatores de incidência. 67 f. Dissertação (Mestrado em Segurança Pública). Universidade Federal do Pará, 2016.

FRAGAN, Jeffrey; WILKINSON, Deanna L. Guns, Youth Violence and social Identify in Inner cities. Crime and Justice. Columbia. N.24, p.105-187, 1998.

GOLDSTEIN, Paul. The drugs/violence nexus: A tripartite conceptual framework. Journal of Drug Issues. v.15, p. 143-174, 1985

GIBBS, Jewelle Taylor; MERIGHI, Joseph R. (1994). Young Black males: Marginality, masculinity, and criminality. In: NEWBURN, Tim; STANKO, Elizabeth Men, masculinities, and crime: Just boys doing business? London: Routledge, 1994, p. 64–80.

GILL, Martin. Commercial robbery. London. 1 ed. Blackstone, 2000.

HALES, Gales; LEWIS, Chris; SILVERSTONE, Daniel. Gun Crime: the market and use of illegal firearms. 1 ed. London: Home Office Research Study, 2006. 176 p.

HUNGRIA, Nelson. Comentários ao Código Penal 3 ed. v. VIII. Rio de Janeiro. Forense, 1955. 268 p.

LANGEANI, Bruno; BAIRD, Marcello Fragano; RISSO, Melina. De onde vêm as armas do crime? Análise do universo de armas apreendidas em 2011 e 2012 em São Paulo. São Paulo: Instituto Sou da Paz, 2013. 40 p.

LESSING, Benjamim. Demandas por armas de fogo no Rio de Janeiro. In: FERNANDES, Rubem Cesar. Brasil: as armas e as vítima. Rio de Janeiro: 7litras, 2005, p.268-295.

MINISTÉRIO DA DEFESA. Portaria nº 02 – COLOG – de 26 de fevereiro de 2010. Regulamenta o art. 26 da Lei 10.826/03 e o art. 50, IV do Decreto n 5.123/04 sobre réplicas e simulacros de arma de fogo e armas de pressão. Exército Brasileiro, Brasília, 2010.

NOMINATO, Luciana do Carmo Socorro. Índice de vulnerabilidade a ataques a caixas eletrônicos por município na 7ª Região da Polícia Militar de 2012 a 2017. 110 f. Monografia (Curso de Especialização em Segurança Pública). Academia de Polícia Militar de Minas Gerais, 2017.

NWALOIZE, Joel Chijioke. Armed Robbery in Nigéria: a qualitative study of Young male robbers. 2011. 319 f. Tese (Doutorado em filosofia) – Faculty of Humanities, University of Manchester, 2011.

O'DONNELL, Ian; MORRISON, Shona. Armed Robbery: A Study of London. Oxford Centre for Criminological Research. Oxford, p. 686-689, 2004.

ODON, Tiago Ivo. Armas e violência: por que olhar para a lei do desarmamento não é a melhor ideia. Brasília. Núcleo de estudos e pesquisa. Senado, Maio 2019.

PAIVA, Luiz Fábio S. Aqui não tem gangue, tem facção: as transformações sociais do crime em Fortaleza, Brasil. Caderno CRH. Salvador, v.32, n.85. p.165-184, Jan/Abr 2019.

RAMÃO, Fernanda Pamplona; WADI, Yonissa Marmitt. Espaço urbano e criminalidade violenta: análise da distribuição espacial dos homicídios no município de Cascavel/PR. Revista de Sociologia e Política. Curitiba , v. 18, n. 35, p. 207-230, Feb. 2010

RIVERO, Patrícia S. O mercado de armas de fogo na cidade do Rio de Janeiro: preços e simbologia das armas de fogo no crime. In: FERNANDES, Rubem Cesar. Brasil: as armas e as vítima. Rio de Janeiro: 7litras, 2005, p.197-267.

SILVA, Braulio; BEATO, Claudio. Ecologia social do medo: avaliando a associação entre contexto de bairro e medo de crime. Revista Brasileira de Estudos de População. Rio de Janeiro. v. 30. p. 155–170, 2013.

SQUIRES, Peter; GRIMSHAW, Roger; SOLOMON, Enver. Gun Crime: a review of evidence and policy. Centre fron crime and justice studies. London. p. 1-50, June 2008.

THRASHER, Frederic M. The gang: a study of 1313 gangs in Chicago. 1 ed. Chicago: University of Chicago, 1927.

WILLIS, Katie. Armed Robbery: who commits its and why? Trends and Issues in crime and criminal justice. Camberra. p.1-6, Nov. 2006.

WRIGHT, Richard; BROOKMAN, Fiona; BENNETT, Trevor. The foreground dynamics of street robbery in Britain. British Journal of Criminology. v. 46. n. 1. London. p.1-15, 2006.

ZINRING, Franklin E. Firearms violence and the potential impacto f firearms control. Journal of law, medicine and ethics. v. 32. Spring. p.34-47, 2004.
Publicado
2021-11-23
Como Citar
Ferreira, T., & Faria, A. (2021). ARMA DE FOGO E CRIMINALIDADE. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 4(10), 61-79. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v4i10.143