URBANIZAÇÃO, EXCLUSÃO SOCIAL, VIOLÊNCIA URBANA E IMPLICAÇÕES PARA O POLICIAMENTO OSTENSIVO PAULISTA

Palavras-chave: Urbanização, Exclusão social, Criminalidade Urbana, Teorias Ecológicas, Prevenção Criminal, Preservação da Ordem Pública, Polícia Militar

Resumo

Este artigo foi desenvolvido a partir de pesquisas realizadas no Centro de Altos Estudos em Segurança da Academia de Polícia Militar do Barro Branco, e se prestou a identificar e descrever articuladamente as circunstâncias que envolvem a atividade de policiamento ostensivo levado a efeito nas grandes cidades paulistas, contextos marcados por processos irregulares de urbanização, empiricamente associados a fenômenos como a exclusão social e o recrudescimento da criminalidade violenta observados no mundo ocidental durante os séculos XIX e XX. Para tanto, as contribuições das principais escolas criminológicas de orientação ecológica foram descritas, tendo como ponto de partida o movimento acadêmico denominado ‘Escola de Chicago’. Em síntese, a revisão da literatura indicou que a desorganização social, associada a importantes mudanças nos padrões de atividades habituais dos habitantes das grandes cidades, ambos decorrentes do crescimento urbano desordenado, operam como algumas dentre as principais explicações para o aumento das novas violências urbanas. Conclusões preliminares são apresentadas a respeito da questão de pesquisa e indicações para futuras intervenções e investigações são articuladas.

Biografia do Autor

Ana Carolina Russo, Instituto Mauá de Tecnologia

Possui graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, mestrado em Tecnologia Nuclear pela Universidade de São Paulo e doutorado em Engenharia de Infraestrutura Aeronáutica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Atualmente é professora e coordenadora de curso de especialização na área de segurança do trabalho do Instituto Mauá de Tecnologia. Há três anos desenvolve trabalhos em conjunto com a Policia Militar do Estado de São Paulo visando a melhoria na qualidade de vida desses profissionais.

CV: http://lattes.cnpq.br/3431974109816480 

Pedro Luís de Souza Lopes, Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP)

Possui graduação em Ciências Policiais de Ordem e Segurança Pública pela Academia de Policia Militar do Barro Branco (1996), graduação em Educação Física pela Escola de Educação Física da Polícia Militar do Estado de São Paulo (2003) e graduação em Ciências Jurídicas pela Universidade Bandeirante de São Paulo (2004), pós-graduação em Fisiologia do Exercício Resistido pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (2002),pós-graduação em Política e Estratégia pelo Núcleo de Política e Estratégia da Universidade de São Paulo (2000), especialização em Criminologia pela Universidade de Ottawa (2001), Mestrado Acadêmico em Psicologia Forense e Investigação Criminal pela Universidade de Liverpool - RN (2015) e Mestrado Profissional em Ciências Policiais da Ordem e Segurança Pública pela Academia de Polícia Militar do Barro Branco (2015), atuando principalmente no seguimento da Inteligência de Segurança Pública, Prevenção da Criminalidade e em atividades do Sistema de Justiça Criminal.

CV: http://lattes.cnpq.br/0710568841496586

Referências

CLARKE, Ronald. Situational Crime Prevention: Theory and Practice. British Journal of Criminology (pp. 138-147), 1980.

COHEN, Lawrence E. e FELSON, Marcus K. Social Change and Crime Rate Trends: A Routine Activity Approach. American Sociological Review, 44: 588- 608: Illinois, 1979.

FREITAS, Wagner Cinelli de Paula. Espaço Urbano e Criminalidade: Lições da Escola de Chicago. São Paulo: IBCCRIM, 2002.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Editora Atlas, 2008. v. 264

GOLDSTEIN, H. Improving policing: A problem-oriented approach. Crime and Delinquency, 24: 236-258, 1979

GOMES, Luiz Flávio; MOLINA, Antonio García-Pablos de. Criminologia: Introdução aos seus elementos teóricos: introdução às bases criminológicas da Lei 9.099/95 – Lei dos Juizados Especiais Criminais. 3. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2000.

GRUENEWALD, P. J., TRENO, A. J., NEPHEW, T. M. & PONICKI, W. R. Routine activities and alcohol use: constraints on outlet utilization, Alcoholism: Clinical and Experimental Research, 1995, 19, 44–53.

KAHN, Tulio. Estudos Criminológicos. São Paulo: CAP-SSP/SP, outubro, 2008. v.7: Ferramentas e Técnicas de Análise Criminal.

_________. Estudos Criminológicos. São Paulo: CAP-SSP/SP, setembro, 2008. v.6: Reflexões sobre Segurança Pública em São Paulo.

LOPES, Pedro L. De S. A decade of declining crime in the city of São Paulo: The role of police innovation. Liverpool – Reino Unido, 2015 (Dissertação de Mestrado do Curso de Mestrado em Psicologia Forense e Investigação Criminal da Universidade de Liverpool).

MARTINSON, Robert. What works? Questions and answers about prison reform. Crime and Delinquency, 1974, 24: 22-54.

MASTROFSKI, S. D. Community Policing and Police Organizational Structure. In (EDUSP) How recognize a good policing strategy, 2002, 197-232.

_________. Community policing: A skeptical view. In Weisburd, D. & Braga, A. A. (Eds.). Police Innovation: Contrasting perspectives. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

PARK, Robert. The City: Suggestions for the Investigation of Human Behavior in Urban Environment. American Journal of Sociology, 1979, 20: 577-612.

SAMPSON, Robert J; RAUDENBUSH, Stephen W. 1999. Systematic social observation of public spaces: A new look at disorder in urban neighborhoods. American Journal of Sociology. 1999, 105, no. 3: 603-651.

SOARES, Gláucio Ary Dillon. Não matarás: desenvolvimento, desigualdade e homicídios. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2008.

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. GESPOL. Sistema de Gestão da Polícia Militar do Estado de São Paulo. 2ª ed. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010.

_________. Normas para o Sistema Operacional de Policiamento (NORSOP), Diretriz Nº PM3 -008/02/06.

_________. Operação Saturação por Tropas Especiais, Diretriz Nº PM3-004/02/07.

_________. Programa São Paulo pela Vida, Nota de Serviço Nº CPC 003/3.3/08.

_________. Programa De Rádio Patrulha – Atendimento “190”, Diretriz nº PM3- 011/02/05.

SHAW, C.R.; MCKAY, H.D. Juvenile Delinquency and Urban Areas: A Study of Rates of Delinquency in Relation to Differential Characteristics of Local Communities in American Cities. Chicago: University of Chicago Press, 1969, p. 140-169; 315-326.

STUCKY, T.D.; OTTENSMANN, J. R. Land Use and Violent Crime. Criminology, 2009, 47, 1223-1264. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1111/j.1745-9125.2009.00174.x Acesso em: 06 jan. 2021.

THRASHER, Frederic M. Social Backgrounds and School Problems. The Journal of Educational Sociology, 1, no. 3 (1927): 121–30. Disponível em: https://doi.org/10.2307/2961742. Acesso em: 06 jan. 2021.

WEISBURD, D. & BRAGA, A. A. Police Innovation: Contrasting perspectives. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

WIKSTROM, P. H. & SAMPSON, R. J (2006). The explanation of crime: Context, mechanisms, and development. Cambridge: Cambridge University Press.
Publicado
2022-01-06
Como Citar
Russo, A. C., & Lopes, P. L. (2022). URBANIZAÇÃO, EXCLUSÃO SOCIAL, VIOLÊNCIA URBANA E IMPLICAÇÕES PARA O POLICIAMENTO OSTENSIVO PAULISTA. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 4(10), 150-157. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v4i10.136