CRIMINALIDADE NO BRASIL

motivações e percepções multifatoriais

Palavras-chave: Crime, Padrões cognitivos, Criminalidade, Segurança Pública, Sociedade

Resumo

O objetivo deste trabalho foi identificar os antecedentes da adesão da população ao crime, bem como a existência de padrões cognitivos que poderiam contribuir para a criminalidade, de forma a propor ações para a persuasão e a mudança de atitudes da população em relação ao comportamento criminoso. Para tal foi realizada uma pesquisa de natureza qualitativa, exploratória por meio de entrevistas semiestruturadas. Dentre os fatores predisponentes para a criminalidade, verificou-se que as condições sociais são bastante relevantes. Na esfera social identificou-se que a rede de relacionamento social que as pessoas convivem desde a mais tenra idade pode influenciar na criminalidade.

Biografia do Autor

Cid Gonçalves Filho, Universidade FUMEC

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1996). Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Minas Gerais (1983). Coordenador do Curso de Engenharia da Computação. Foi Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade Fumec 2014-2015.É Coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade FUMEC.É professor titular do Programa de Doutorado e Mestrado em Administração e professor titular/pesquisador da Universidade FUMEC desde 2004. Autor de livros e artigos publicados nacional e internacionalmente.Recebeu premiações nacionais nacionais e internacionais.Foi convidado como professor visitante do MIT a atuou como assistente de pesquisa na NESTBOSTON, associada ao Projeto PIRP Harvard University. Foi Coordenador do Curso de Tecnologia em Processamento de Dados desde 1987, e Coordenador de Sistemas no BEMGE e Analilsta da PROBAM S/A por cerca de 20 anos.Publicou um artigo A1 nos últimos dois quadriênios em Journal internacional, e busca o mesmo em 2017-2020 com submissões realizadas.É co-fundador da CBRA - Consumer-Brand Relationship Association.Foi lider de Grupo Comportamento do Consumidor Anpad por dois anos e é Lider de Grupo em CBR.Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Mercadologia e Estratégia, atuando principalmente nos seguintes temas: marketing, comportamento do consumidor, marcas, marketing viral e mobile, lealdade e empreendedorismo/inovação. Tem experiencia na área de Tecnologia da Informação como Analilsta, Coordenador de Sistemas e Coordenador de Cursos de Lato Sensu, Tecnologo e Graduação.Linha de Pesquisa: Estratégia e Tecnologias em Marketin.

CV: http://lattes.cnpq.br/3574306384505737 

Stanley Araújo Pena, Universidade FUMEC

Doutorando em Administração pela Universidade FUMEC. É Mestre em Administração pela Faculdade de Estudos Administrativos - FEAD (2013): Gestão Estratégica das Organizações - Gestão Pública. Possui Especialização em Gestão de Projetos pelo Centro Universitário Cesumar (2017) e Graduação em Ciências Militares pela Academia da Polícia Militar de Minas Gerais (2009). É Capitão da Polícia Militar de Minas Gerais e professor da Faculdade Pitágoras, onde leciona nos cursos de Engenharias, Sistemas de Informação e Administração.

CV: http://lattes.cnpq.br/2788915842391085

Referências

AKTOUF, O. O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In: CHANLAT, J.F. (org). O indivíduo nas organizações. São Paulo: Atlas, 1993.

ALTRICHTER, H.; POSCH, P.; SOMEKH, B. Teachers investigate their work; An introduction to the methods of action research. London: Routledge, 1996.

BALDI, M. Cultura e estrutura organizacional: um estudo na UNIJUÍ. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 22., 1998, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: ENANPAD, 1998. CDROM.

BARDIN, L. Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70, 2006. Obra original publicada em 1977.

BARICH, H; KOTLER, P. A Framework for Image Management. Sloan Management Review, v2, n3, p94-104, 1991.

BENTO, R.A. Presunção de Inocência no Processo Penal. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

BEUREN, I. M. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2006. 195p.

BLACKWELL, R. D.; MINIARD, P. W.; ENGEL, J. F. Comportamento do Consumidor. 9ª Edição, São Paulo: Cengage Learning, 2013. 606p.

BOULDING, K. E. The Image. London: The University Michigan Press, 1956.

CALDAS, M.P. Santo de casa não faz milagre: condicionantes nacionais e implicações organizacionais da fixação brasileira pela figura do “estrangeiro”. In: MOTTA, F.C.P.; CALDAS, M.P. (org). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p.73-93.

CERQUEIRA, D. R. C., LOBÃO, W. A. J. L. Determinantes da criminalidade: uma resenha dos modelos teóricos e resultados empíricos. TEXTO PARA DISCUSSÃO N° 956. IPEA, 2003. Disponível: . Acesso em 15/09/2016.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

COHEN, L.; MANION, L.; MORRISON. Research Methods in Education. 5ª ed. London: Routledge Falmer, 2000.

CONNER, B. T.; STEIN, J. A.; LONGSHORE, D. Examining Self-Control as a Multidimensional Predictor of Crime and Drug Use in Adolescents with Criminal Histories. The Journal of Behavioral Health Services & Research, p. 137-149, Apr. 2009.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Segundo Fórum Nacional de Alternativas Penais. Conferencista Sérgio Adorno, 2016.

CANO, I., SOARES, G. D. As teorias sobre as causas da criminalidade. Rio de Janeiro: IPEA, 2002.

COSTA, M. DA S. Terceirização/parceria e suas implicações no âmbito jurídico-sindical. Revista de Administração de Empresas. São Paulo. v. 34, n.1, p. 6-11. Jan-Fev., 1994.

DAMATTA, R. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

DAMATTA, R. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro, Rocco, 1997.

DICIONÁRIO MICHAELIS. Disponível em: Acesso em: 15/09/2016.

DICHTER, E. What`s in an Image? The Journal of Consumer Marketing. v2, n1, winter 1985.

DOBNI, D.; ZINKHAN, G.M. In search of brand image: foundation analysis. Advances in Consumer Research, v.17, n.1, p.110-119, 1990.

DOWLING, G.R. Managing your corporate image. Industrial Marketing Management, v. 15, p. 109-150, 1986.

EDELMAN TRUST BAROMETER 2020. Edelman Holdings Inc., p. 2–77, 2020.

EGAN, V. et al. Criminal cognitions and personality: what does the PICTS really measure? Criminal Behaviour and Mental Health, Plymouth, v. 10, n. 3, p. 170-184, 2000.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019. 13. ed. 2019.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA, (2019). O novo sistema único de segurança pública: Questões sobre o Financiamento da Segurança Pública. Texto para debate nº. 02.

FREITAS, A. B. Traços brasileiros para uma análise organizacional. In: MOTTA, F. C. P.; CALDAS, M. P. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

FREITAS, H. M. R.; CUNHA, M. V. M., Jr.; MOSCAROLA, J. Aplicação de sistemas de software para auxílio na análise de conteúdo. Revista de Administração da USP, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 97-109, 1997.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: grandes temas em debate. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 31, n. 3. p. 73-82, 1991.

FONTANELLA, B. J. B.; RICAS, J.; TURATO, E. R. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 17-27, jan. 2008.

GAJ, L. Tornando a administração estratégica possível. São Paulo: MacGraw-Hill, 1990. 239p.

GOLDBERG, L. R. An alternative description of personality: The big-five factor structure. Journal of Personality and Social Psychology, v. 59, n. 6, p. 1216-1229, 1990.

GOTTFREDSON, M. R.; HIRSCHI, T. A General Theory of Crime. Stanford, CA: Stanford University Press; 1990.

GRASSELI, M.F.; SOUKI, G. Q. Imagem e posicionamento profissional: um estudo exploratório sobre o marketing na Arquitetura In: XXXI Encontro da ANPAD - EnANPAD, 2007, Rio de Janeiro, 2007.

HANDY, C. Como compreender as organizações. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p.200- 241.

HANEY, C. Criminality in Context: The Psychological Foundations of Criminal Justice Reform. American Psychological Association, 2020.

HOBBES, T. Matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil.1651.

HOLLIN, C. R. Psychology and crime: An introduction to criminological psychology. London: Routledge, 1989.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Atlas da violência, 2019.

JOLY, M. Introdução à análise da imagem. São Paulo: Papirus, 1996.152p.

KARSAKLIAN, E. Comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas, 2000.

KASSARJIAN, H. H. Personality and consumer behavior: A review. Journal of Marketing Research. Vol. VIII, p. 409-418, Nov, 1971.

KNIGHT, K. et al. An Assessment for Criminal Thinking. Crime & Delinquency, é Fort Worth, v. 52, n. 1, p. 159-177, 1996.

LEAL, A.A.; BASTOS NETO, O. A criminalidade nas favelas brasileiras, a luz da teoria da desorganização social. 2013, Disponível: . Acesso em 15/09/2016.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 720p.

MATHEUS, T.C. Inverno social: uma discussão psicanalítica sobre o imaginário da lei no Brasil. In: MOTTA, F.C.P.;
CALDAS, M.P. (org). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p.129-142.

MEIRELES, A.; L. E. ESPÍRITO SANTO. Entendendo a nossa insegurança. 1. ed. Instituto Brasileiro de Policiologia. Belo Horizonte, 2003.

MINAYO, M. C. DE S. Violência social sob a perspectiva da saúde pública. Cadernos de Saúde Pública, v. 10, p. S7–S18, 1994.

MORGAN, G. Imagens da organização: a criação da realidade social. São Paulo: Atlas, 1996, 421p.

MOTTA, P.R. Transformação organizacional: a teoria e a prática de inovar. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999. 224 p.

NUCCI, G. de S. Manual de Direito Penal. Ed. Forense. 15. ed. 2019.

O’REILLY III, C.A. Corporations, culture, and commitment: motivation and social control in organizations. California Management Review. p. 9-25. Summer, 1989.

OPAS (Organización Panamericana de la Salud), 1993. Resolución XIX: Violencia y Salud. Washington, DC: Opas. (Mimeo.)

PABLO GONNET, J. Durkheim, Luhmann and the Delimitation of the Problem of Social Order. Revista Mexicana de Ciencias Politicas y Sociales, v. 60, n. 225, p. 285–309, 2015.

PONTES, N.G. Imagem e identidade de marca: um estudo de congruência no varejo de moda. 2009. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2009.

RIBEIRO, W. S. et al. Exposição à violência e problemas de saúde mental em países em desenvolvimento: Uma revisão da literatura. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 31, n. SUPPL. 2, p. 49–57, 2009.

SAMARA, B. S.; MORSCH, M. A. Comportamento do consumidor: conceitos e casos. São Paulo: Prentice Hall, 2005.

SERAPIONI, M. Métodos Quantitativos e qualitativos na Pesquisa em Saúde Social: algumas Estratégias Para a Integração. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 5, n.1, p. 187-192, 2000.

SHETH, J. N.; MITTAL, B.; NEWMAN, B. I. Comportamento do cliente: indo além do comportamento do consumidor. São Paulo: Atlas, 2001.

SOLOMON, M. R. Comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 9. ed. Porto Alegre: Bookman, 2011.

TELLES, V. S.; HIRATA, D. V. Cidades e práticas urbanas: nas fronteiras incertas entre o ilegal, informal e o ilícito. Revista Estudo Avançados: Instituto de Estudos Avançados da USP, São Paulo, v. 21, n. 61, p. 173-191, set./dez. 2007.

TRINDADE, J. Manual de Psicologia Jurídica para operadores do Direito. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2012.

VAN RIEL, C.B.M. Principles of corporate communication. Londres: Academic Service and Prentice Hall, 1995. 239p.

VIEIRA, M.L.; OLIVA, A.D. (2017) Evolução, Cultura e Comportamento humano. Florianópolis: Edições do Bosque. Disponível em: hps://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/173079. Acesso em: 07 abr. 2020

VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006. 224p.

WALTERS, G. D. The Criminal Lifestyle: Patterns of Serious Criminal Conduct. London: Sage Publications, 1990.

WALTERS, G. D. The Psychological Inventory of Criminal Thinking Styles: Part II:Identifying Simulated Response Sets. Criminal Justice and Behavior, v. 22; p. 437- 445, 1995a.

WALTERS, G. D. The Psychological Inventory of Criminal Thinking Styles: Part I: Reliability and Preliminary Validity. Criminal Justice and Behavior, v. 22; p. 307- 325, 1995b.

WALTERS, G. D. Appraising, Researching and Conceptualizing Criminal Thinking: a personal view. Criminal Behaviour and Mental Health, v. 16, n. 2, p. 87-99, 2006.

YOCHELSON, S.; SAMENOW, S. The criminal personality. New York: Jason Aronson, 1976.
Publicado
2021-05-26
Como Citar
Filho, C., & Pena, S. (2021). CRIMINALIDADE NO BRASIL. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 4(9), 27-56. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v4i9.131