A INFLUÊNCIA DE FATORES COGNITIVOS NOS CRIMES LEVES

Autores

Palavras-chave:

Crimes leves, Criminalidade, Padrões Cognitivos, Controle Social

Resumo

O crime é um fenômeno que possui origem em diversos fatores e que causa reflexos negativos em diversos ramos da sociedade. Compreender as causas que levam o indivíduo a cometer delitos consiste em uma medida efetiva, uma vez que ações preditivas podem ser realizadas, reduzindo os custos do controle criminal. Considerando o gap de estudos na área, a presente pesquisa visa conhecer a relação entre os crimes leves e os padrões cognitivos dos respectivos autores. Aplicou-se um questionário em 413 indivíduos e entrevista em profundidade em 24 participantes. Os resultados revelam que os autores sentiram-se no direito de cometer os crimes, apresentando uma justificativa para a conduta. A falta de perspectiva de vida e a ausência de credenciais positivos na sociedade brasileira se apresentaram como elementos que influenciam o comportamento criminoso.

Biografia do Autor

Cid Gonçalves Filho, Universidade FUMEC

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001), Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1996). Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Minas Gerais (1983). Foi Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade Fumec 2014-2015. Atuou como Coordenador de cursos de Graduação desde 1987, incluindo Coordenador do Curso de Engenharia da Computação (2017-2020, Conceito 4). Foi Coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade FUMEC durante dois mandatos, Conceito 4. É professor do Programa de Doutorado e Mestrado em Administração e professor titular/pesquisador da Universidade FUMEC desde 2004. Também foi professor e coordenador de Cursos a Distância. Autor de livros e artigos publicados nacional e internacionalmente. Recebeu premiações nacionais nacionais e internacionais. Foi convidado como professor visitante do MIT e atuou como assistente de pesquisa na NESTBOSTON, associada ao Projeto PIRP Harvard University. Foi Coordenador do Curso de Tecnologia em Processamento de Dados desde 1987, e Coordenador de Sistemas /Crédito no BEMGE (Banco) e Analista da PROBAM S/A por cerca de 18 anos. É co-fundador da CBRA - Consumer-Brand Relationship Association. Foi lider de Grupo Comportamento do Consumidor Anpad, sendo Lider de Tema em Marketing em 2020-2022 (atual). Atuou com Pesquisa de Mercado na DataConsumer e P&D por 15 anos, com projetos para grandes empresas nacionais e multinacionais, incluindo análise multivariada e técnicas de machine learning. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Mercadologia e Estratégia, atuando principalmente nos seguintes temas: marketing, marketing digital, start ups, métodos ágeis, comportamento do consumidor, marcas, marketing viral e mobile, lealdade e empreendedorismo/inovação. Tem experiência na área de Tecnologia da Informação como Analista, Coordenador de Sistemas e Coordenador de Cursos de Lato Sensu, Tecnologo e Graduação. Possui formação CSPO Product Owner, TKP Kanban, Lean Inception e PBB Product Backlog Linha de Pesquisa: Estratégia e Tecnologias em Marketing.

CV: http://lattes.cnpq.br/3574306384505737

Stanley Araújo Pena, Universidade FUMEC

Doutorando em Administração pela Universidade FUMEC. É Mestre em Administração pela Faculdade de Estudos Administrativos - FEAD (2013): Gestão Estratégica das Organizações - Gestão Pública. Possui Especialização em Gestão de Projetos pelo Centro Universitário Cesumar (2017) e Graduação em Ciências Militares pela Academia da Polícia Militar de Minas Gerais (2009). É Capitão da Polícia Militar de Minas Gerais e Professor da Faculdade Pitágoras.

CV: http://lattes.cnpq.br/2788915842391085

Downloads

Publicado

2022-05-04

Como Citar

Gonçalves Filho, C., & Araújo Pena, S. (2022). A INFLUÊNCIA DE FATORES COGNITIVOS NOS CRIMES LEVES. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 5(11), 101–121. Recuperado de https://ibsp.org.br/ibsp/revista/index.php/RIBSP/article/view/118