MODELO DE AVALIAÇÃO MULTINÍVEL

estudo de caso da Universidade Corporativa da Polícia Rodoviária Federal

Palavras-chave: Avaliação Multinível, Universidade Corporativa, Universidade Corporativa em Rede, Epistemologias da Avaliação, Avaliação da aprendizagem

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o modelo de avaliação multinível à luz das epistemologias de avaliação da aprendizagem e das diretrizes do Modelo UCR, de maneira a propor um modelo de avaliação que promova a aprendizagem individual e a transferência da aprendizagem para a prática do trabalho, a avaliação de desempenho e de competência dos docentes e da execução das ações educativas, bem como a abrangência e o impacto dos resultados no desenvolvimento organizacional. Trata-se de pesquisa teórico-empírica de abordagem qualitativa, que promove um diálogo subjetivo entre as diretrizes do modelo UCR e as epistemologias de avaliação identificadas na literatura. Este estudo avança para os modelos de avaliação em múltiplos níveis, aplicando e validando o Modelo no sistema de educação corporativa da Polícia Rodoviária Federal, organização pública de alta complexidade.

Biografia do Autor

Patricia de Sá Freire, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Professora do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina (EGC/UFSC).

Fernanda Kempner-Moreira, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento (EGC).Mestre em Administração pelo Programa de Pós Graduação em Administração da Universidade Federal de Santa Catarina (2011). Especialista em Marketing e Gestão de Pessoas (2002) e Gestão Financeira e Contábil (2008). Graduada em Administração pela Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Paranavaí (2001). Membro do Grupo de Pesquisa ENGIN Núcleo de Engenharia da Integração e Governança do Conhecimento para a Inovação. Possui experiência como docente, atuando principalmente nas disciplinas: administração da produção, gestão de pessoas e gestão da qualidade.

Graziela Grando Bresolin, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina (EGC/UFSC).

Henrique Mourão Camarinha Neto, Polícia Rodoviária Federal

Possui graduação em Direito pela Universidade de Caxias do Sul (2015). Atualmente é chefe da divisão de avaliação da Universidade Corporativa da Polícia Rodoviária Federal.

Referências

ABBAD, G.S.; LACERDA, E.R.M.; PILATI, R. Medidas de motivação e valor instrumental do treinamento. In: Medidas de avaliação em treinamento, desenvolvimento e educação: ferramentas para gestão de pessoas. Organização: Gardênia da Silva Abbad et al. Porto Alegre: Artmed, 2012.

ABREU, M.C.; MASETTO, M.T. O professor universitário em aula: prática e princípios teóricos. 8.ed. São Paulo: MG Ed. Associados, 1990.

BERBEL, A.N. et al. Avaliação da aprendizagem no ensino superior. Londrina: Ed. UEL, 2001.

BRANDÃO, H.P. et al. Gestão de desempenho por competências: integrando a gestão por competências, o balanced scorecard e a avaliação 360 graus. Revista de Administração Pública, v.42, p. 875-898, 2008.

BRESOLIN, G.G.; FREIRE, P.S. Modelo UCR em sala de aula, teoria da aprendizagem experiencial e metodologias ativas. In: Universidade Corporativa em Rede: Diretrizes iniciais do modelo. Organizadores: Patricia de Sá Freire, Talita Caetano Silva, Graziela Grando Bresolin. Curitiba: CRV, 2019. (Coleção UCR – Universidade Corporativa em Rede – v. 1).

BOMFIM, R.A. Competência profissional: uma revisão bibliográfica. Revista Organização Sistêmica |vol.1 – nº 1, Jan – Jun 2012. Disponível em: https://www.tc.df.gov.br/app/biblioteca/pdf/AR500493.pdf. Acesso em: 10 maio 2020.

BORGES-ANDRADE, J.E.; ABBAD, G.S.; MOURÃO, L. Modelos de avaliação e aplicação em TD&E. In: Medidas de avaliação em treinamento, desenvolvimento e educação: ferramentas para gestão de pessoas. Organizadores: Gardênia da Silva Abbad et al. Porto Alegre: Artmed, 2012.

CARBONE, P.P. et al. Gestão por competências e gestão do conhecimento. Rio de janeiro: FGV, 2006. 172 p.

DEPRESBITERIS, L.; TAVARES, M.R. Diversificar é preciso...: Instrumentos e técnicas de avaliação de aprendizagem. Editora Senac, 2017.

FRANCISCO, J.G.G.; MORAES, D.A.F. A autoavaliação como ferramenta de avaliação formativa no processo de ensino e aprendizagem. XI Congresso Nacional de Educação - EDUCERE, Curitiba, 2013.

FREIRE, P.S. et al. Universidade Corporativa em Rede: Considerações Iniciais para um Novo Modelo de Educação Corporativa, Espacios, v. 37, n. 5, 2016.

FREIRE, P.S.; CANTO, C.A.R.L.; BRESOLIN, G.G. A transversalidade temporal do desenvolvimento humano: da criança ao adulto. In: Universidade Corporativa em Rede: Diretrizes iniciais do modelo. Organizadores: Patricia de Sá Freire, Talita Caetano Silva, Graziela Grando Bresolin. Curitiba: CRV, 2019. (Coleção UCR – Universidade Corporativa em Rede – v. 1).

FREIRE, P.S.; SILVA, T. Os desafios da aprendizagem para o trabalho. In: Gestão do conhecimento para aceleração da curva da aprendizagem: um relato do plano de melhoria do processo de integração em uma das maiores organizações de software brasileiras. Organizadores: Patricia de Sá Freire, Talita Caetano Silva, João Artur de Souza. Curitiba: CRV, 2019. 176 p. (Coleção UCR – Universidade Corporativa em Rede – v. 3).

FREITAS, I.A.; BRANDÃO, H.P. Trilhas de aprendizagem como estratégia para o desenvolvimento de competências. In: ENANPAD, 29. Anais... Brasília: Anpad, 2005.

FREITAS, I.A.; MOURÃO, L. Medidas de impado de TD&E: o nível da mudança organizacional. In: Medidas de avaliação em treinamento, desenvolvimento e educação: ferramentas para gestão de pessoas. Organizadores: Gardênia da Silva Abbad et al. Porto Alegre: Artmed, 2012.

GIL, A.C. Didática do ensino superior. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2018.

GONÇALVES, A; MOURÃO, L. A expectativa em relação ao treinamento influencia o impacto das ações de capacitação? Revista de Administração Pública (RAP). Rio de Janeiro, 45(2), p. 483-513, mar./abr. 2011. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/7001/5561. Acesso em 05 julho 2020.

HAMBLIM, A.C. Avaliação e controle do treinamento. São Paulo: Mc-Graw-Hill do Brasil, 1978.

HAYDT, R.C.C. Avaliação do processo ensino-aprendizagem. 6 ed. São Paulo: Editora Ática, 1997.

KIRKPATRICK, D.L. Evaluation of training. In: Craig, R. L. Training and development handbook (2 ed.). New York: McGraw-Hill, 1976.

KNOWLES, M.S.; HOLTON III, E.F.; SWANSON, R.A. Aprendizagem de Resultados: Uma abordagem prática para aumentar a efetividade da educação corporativa. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 388, 2011. Tradução de: Sabine Alexandra Holler. The adult learner.

MARGHERITA, A; SECUNDO, G. The Emergence of the Stakeholder University, em Romano, Aldo. Open Business Innovation Leadership The Emergence of the Stakeholder University. Londres: Palgrave Macmillan, v. 30, n. 2, p. 170­
206, 2009.

MOURÃO, L.; MENESES, P.P.M. Medidas de impado de TD&E: O nível do valor final. In: Medidas de avaliação em treinamento, desenvolvimento e educação: ferramentas para gestão de pessoas. Organizadores: Gardênia da Silva Abbad et al. Porto Alegre: Artmed, 2012.

PICCHI, T.C. Educação Corporativa: ajuste com sistemas de gestão de pessoas e resultados de treinamento nos níveis individual e organizacional. Brasília: UnB, 2010. Dissertação (Mestrado), Universidade de Brasília, 2010.

QUEIROGA, F. et al. Medidas de aprendizagem em TD&E – fundamentos teóricos e metodológicos. In: Medidas de avaliação em treinamento, desenvolvimento e educação: ferramentas para gestão de pessoas. Organização: Gardênia da Silva Abbad et al. Porto Alegre: Artmed, 2012.

ROBBINS, P.S. Comportamento Organizacional, 8 ed. México: Prentice Hall, 1999.

ROSEWELL, J. Learning styles. The Open University. Technology: Level 1 Networked living: exploring information and communication Technologies, 2005.

SANT’ANNA, I.M. Por que avaliar?: como avaliar?: critérios e instrumentos. 11 ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

SANTOS, F. et al. Modelos de avaliação em T,D&E: um estudo. In: Cláudia Herrero Martins Menegassi; Flávio Bortoluzzi; Nelson Tenório; Rejane Sartori. (Org.). Gestão do Conhecimento nas Organizações. 1ed. Jundiaí: Paco, 2018, v. 3, p. 193-220.

SILVA, T. Framework Ponte TAP: gestão da curva de aprendizagem para a efetivação da transferência de aprendizagem para a prática do trabalho. 2019. 391 f. Tese (Doutorado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2019.

SILVA, T.C.; FREIRE, P.S. Diretrizes para implantação e gestão. In: Universidade Corporativa em Rede: Diretrizes iniciais do modelo. Organizadores: Patricia de Sá Freire, Talita Caetano Silva, Graziela Grando Bresolin. Curitiba: CRV, 2019. (Coleção UCR – Universidade Corporativa em Rede – v. 1).

TURRA, C.M.G. et al. Planejamento de ensino e avaliação. 11 ed. Porto Alegre: Editora Sagra, 1992.
VASCONCELLOS, C.S. Planejamento Político-Pedagógico – elementos metodológicos para elaboração e realização. São Paulo: Libertad, 10 ed., v.1, 2002.

VEIGA, I.P.A. Organização didática da aula: um projeto colaborativo de ação imediata. In: VEIGA, I.P.A (Org.). Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas: Papirus, 2008.

VILLAS BOAS, B.M.F. Práticas avaliativas no contexto do trabalho pedagógico universitário: formação da cidadania crítica. In: Currículo e avaliação na educação superior. Organizadoras: Ilma Passos Alencastro Veiga e Marisa Lomônaco de Paula Naves. Araraquara: Junqueira & Marin, 2005.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Tradução Ernani F. da F. Rosa. Porto Alegre: Artmed, 1998.
Publicado
2021-05-26
Como Citar
Freire, P., Kempner-Moreira, F., Bresolin, G., & Camarinha Neto, H. (2021). MODELO DE AVALIAÇÃO MULTINÍVEL. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 4(9), 9-26. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v4i9.104