OS SISTEMAS CULTURAIS DA MENTALIDADE CRIMINOSA

IDENTIFICAÇÃO DO PESQUISADOR

NOME: Gilberto Protásio dos Reis.

Titulação: Doutor                   IES: PUCMG                 Ano de Obtenção: 2016

Endereço para acessar CV: http://lattes.cnpq.br/4271140603320731

Associado IBSP: (X) sim, todo o grupo.     (  ) não

IDENTIFICAÇÃO DA PESQUISA PROPOSTA AO IBSP

TÍTULO: “Os sistemas culturais da mentalidade criminosa”.

LINHA DE PESQUISA:

“Pensamento socionormativo de Segurança Pública”

Co-pesquisador(es):

Nazareno Marcineiro, Mestre e Doutor em Engenharia de Produção pela UFSC, Comandante da Força Nacional de Segurança Pública/Ministério da Justiça em 2015, Comandante-Geral da Polícia Militar de Santa Catarina, de 2011 a 2014, e Presidente do Conselho Nacional dos Comandantes Gerais das Polícias Militares e Corpos de Bombeiro Militares em 2012; Letícia de Sousa Moreira, Psicóloga pela PUC-GO, Mestre e Doutora em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde pela UnB, colaboradora em 2015/2016 no Programa Qualidade de Vida, da Secretaria Nacional de Segurança Pública, Tatiane Ferreira Vilarinho, Bibliotecônoma pela UFG, Mestre e Doutora em Ciência da Informação pela UnB e Editora da Revista Brasileira de Estudos de Segurança Pública, Joaquim Adelson Cabral de Souza, Mestre em Direito Processual pela PUC-MG e docente de Direito Penal na Academia de Polícia Militar-MG, Welere Gomes Barbosa Silveira, Especialista pela UET com pesquisa sobre Inteligência Emocional, atual Secretária de Segurança e Mobilidade Urbana de Palmas, Tocantins, Especialista em Ciências Políticas e Estratégia Brasileira pela UFT, Mestre em Ciências Policiais de  Segurança e Ordem Pública pela PMESP, Mestre e Doutoranda em Educação Física pela UnB, Alex Jorge das Neves, Geógrafo pela UFG, Chefe de Gabinete da Superintendência de Administração Penitenciária da Secretaria de Estado de Segurança Pública de Goiás, Mestre em Estudos Fronteiriços pela UFMS e capacitado em “Organized Crime Investigations” pelo Federal Bureau of Investigation, FBI, Estados Unidos, em 2013, João Batista da Silva, Doutor em Educação, Mestre em Ciências Sociais e Graduado em Ciências Sociais pela UFRN, Especialista em Polícia Comunitária pela UFRN, é Major da PMRN; Matheus Protásio e Silva, Bacharelando em Direito pelas Faculdades Milton Campos, pesquisador ora desenvolvendo a pesquisa norteada pela Zetética Jurídica, sobre elos entre comportamento de grupos, criminalidade e a ideologia do Direito Alternativo, na África do Sul, em torno do ativista e estadista Nelson Mandela.

AGÊNCIA DE FOMENTO FINANCIADORA: ( ) sim   (X) não.

Financiamento da pesquisa: Reuniões virtuais no Zoom Cloud Meetings, pesquisas de campo conduzidas pelo Dr. Gilberto Protásio dos Reis, no sistema penitenciário de Minas Gerais, pela Dra. Tatiane Vilarinho, no sistema penitenciário de Goiás (a pesquisadora ainda está sondando eventuais voluntários interessados dentre os discentes da PM goiana); pela Doutoranda e Secretária de Segurança e Mobilidade Urbana de Palmas, Welere Gomes, no sistema penitenciário do Estado do Tocantins, e pelo Doutor João Batista da Silva, no Estado do Rio Grande do Norte.

PROJETO DE PESQUISA

RESUMO

A pesquisa constitui uma investigação no nível da microssociologia, quanto à base empírica, e no da macrossociologia, quanto também a suportes empíricos, mas adicionados da aplicação das análises de elos entre o micro (a personalidade associada a um sistema cultural predisponente ao cometimento de delitos) e o macro (a cultura conformadora de sistemas predisponentes à conduta criminosa, e a sociedade, vista como ambiente de interações no qual a predisposição intensificada por um sistema cultural), na conduta criminosa.

OBJETO DE ESTUDO

O objeto de estudo serão as relações entre sistemas culturais de conhecimento e condutas criminosas.

DURAÇÃO

A pesquisa será aplicada em vários Estados, desde o segundo semestre de 2018 até o final do segundo lapso temporal homônimo, de 2019.

HIPÓTESE BÁSICA DE TRABALHO

Parte-se do pressuposto, identificado no século XX pelo sociólogo Pitirim Sorokin,[1] de que o sistema de conhecimento do real utilizado pelas pessoas, no nível subjetivo, pode fazer com que seus relacionamentos degenerem em uma luta selvagem: ele afirma que isso é típico de dois sistemas de percepção do real, de um total de três deles, todos marcados pela conexão entre personalidade, cultura e sociedade. Um trata-se do sistema cultural sensorialista, que enfatiza as percepções advindas dos sentidos, em detrimento de considerações de cunho espiritual e valorativo; o outro é o sistema cultural idealista, que está no extremo oposto, e o terceiro constituiu o sistema cultural ideacional, que fica a meio caminho dos dois referidos sistemas culturais.

OBJETIVOS

O objetivo geral é caracterizar os sistemas culturais da mentalidade delinquencial, verificando se aqueles concorrem para este. Os objetivos específicos da pesquisa são: a) caracterizar o “fato psicológico” a partir das teorias que tentam explicá-lo; b) identificar os sistemas culturais sensorialista, ideacionista e idealista; c) proceder a uma revisão da literatura na Sociologia do Crime, a respeito do que é um crime, do ponto de vista dos padrões empíricos, e das causas do comportamento criminoso; d) descrever, de modo ergonômico-cognitivo, o comportamento criminoso, enquanto “fato psicológico” e “fato cultural”; e) verificar se o ideacionismo poderia ser considerado um anteparo cognitivo à formação da decisão de cometimento de condutas antissociais de natureza criminosa.

ORIGINALIDADE DA PROPOSTA

Até o momento, não houve na comunidade científica uma explicação, usando o aristotelismo-tomismo, a respeito de se o ato criminoso poderia ser visto como resultante da desconsideração mental, pelo agente, de um padrão de consciência moral universal e da adesão também mental pelo mesmo sujeito, a um sistema cultural fornecedor de percepções mutiladas da realidade, predisponentes ao cometimento de delitos.

METODOLOGIA

A pesquisa será exploratória com traços de descritiva, à medida que visa desencadear um processo de investigação destinado a identificar qual a natureza do comportamento criminoso, apontando-lhe as características essenciais. Quanto ao aspecto descritivo da pesquisa, serão buscadas as conexões entre o objeto “sistemas culturais da mentalidade criminosa” e outros, nesse caso, a criminalidade e aquilo que Toth (1956) chama de “ordem moral”. Quanto aos procedimentos, a pesquisa será bibliográfica e de campo. Quanto ao uso da técnica de pesquisa de campo, ela será necessária porque só assim haverá o atendimento da expectativa comum aos pesquisadores do IBSP, que é a de oferecer à comunidade científica da área da segurança pública pesquisa empírica de qualidade. Por fim, quanto às técnicas de pesquisa a serem utilizadas, o uso de fichas de avaliações clínicas dos entrevistados será necessário porque a intenção dos pesquisadores é a de ouvir pessoas que a Psicologia moderna considere “sãs” e que o próprio sistema penitenciário já tenha classificado como alguém quase novamente apto à vida em sociedade e total afastamento do ambiente de recuperação da pena.

CRONOGRAMA

CRONOGRAMA DE PESQUISA PROPOSTA
MÊS/ETAPAS 6-9/2018 10-11/2018 12/2018a 2/2019 3-4/2019 5-6/2019 7/2019
Levantamento bibliográfico X          
Coleta de dados   x        
Análise dos dados     X      
MÊS/ETAPAS 6-9/2018 10-11/2018 12/2018a 2/2019 3-4/2019 5-6/2019 7/2019
Redação preliminar       X    
Revisão e redação final         X  
Apresentação ao IBSP           X

5 REFERÊNCIAS (do projeto original, ora sintetizado)

AGOSTINHO. O livre arbítrio. Tradução de Nair de Assis Oliveira. São Paulo: Paulus, 1995. (Coleção Patrística, nº 8).

AQUINO, Tomás de. Do governo dos príncipes (ou do Reino) ao Rei de Cipro. 3ed. Trad. Arlindo Veiga dos Santos. São Paulo: Bushatzky, 1955.

BEATO FILHO, Cláudio C. Políticas públicas de segurança e a questão policial. São Paulo Perspec.,  São Paulo,  v. 13, n. 4,  dez.  1999.

BEATO FILHO, Cláudio C.; SILVA, Bráulio Figueiredo Alves da; TAVARES, Ricardo. Crime e estratégias de policiamento em espaços urbanos. DADOSRevista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 51, n. 3, pp. 687-717, 2008.

BECKER, Howard S. Outsiders: estudos de sociologia do desvio. Trad. Maria Luíza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência. Trad. Denice Bárbara Catani. São Paulo: Unesp, 2004.

CARVALHO, Olavo de. A metafísica e os fundamentos da objetualidade. In: Seminário de Filosofia. Rio de Janeiro: Faculdade da Cidade do Rio de Janeiro, 2002.

CATHREIN, Victor. Die einheit des fittlichen bemusstfeins der menfcheit. Freiburg: Berber, 1914.

CERVO, Amado L.; BERVIAN, Pedro A. Metodologia Científica: para uso dos estudantes universitários. 3ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.

COHEN, L. E.; FELSON, M. Social change and crime rate trends: a routine activity approach. In: American Sociological Review, v. 44, pp. 588-608, 1979.

DEBRAY, Régis; ZIEGLER, Jean. Il s’agit de NE pás se rendre. Paris: Arléa, 1994.

FALZON, Pierre (ed.). Ergonomia. 3 reimp. Tradução de Giliane M. J. Ingratta, Marcos Maffei, Márcia W. R. Sznelwar, Marício Azevedo de Oliveira & Agnes Ann Puntch. São Paulo: Blucher, p. 3-20, 2007.

FARRINGTON, David. P. Developmental and life-course criminology: key theoretical and empirical issues-the 2002 Sutherland award adress. In: Criminology, v. 41, n. 2, pp. 221-225, 2003.

GARRIGOU, Alain. Contribuições da ergonomia à prevenção dos riscos profissionais. In: FALZON, Pierre (ed.). Ergonomia. 3 reimp. Tradução de Giliane M. J. Ingratta, Marcos Maffei, Márcia W. R. Sznelwar, Marício Azevedo de Oliveira & Agnes Ann Puntch. São Paulo: Blucher, p. 423-442, 2007.

GARDEIL, Henri-Dominique. Iniciação à Filosofia de São Tomás de Aquino: Psicologia, Metafísica. Cristiane Negreiros Abbud Ayoub; Carlos Eduardo de Oliveira. 2ed. São Paulo: Paulus, 2013.

HIMMERFARB, Gertrude. The De-Moralization of Society. New York: Knopf, 1995.

IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção. 8 reimp. São Paulo: Edgar Blücher, 2002.

INGRAO, Christian. Croire et détruire: les intellectuels dans la machine de guerre SS. Paris, França: Fayard, 2010.

KANT, Immanuel. Filosofía de la historia. 2ed. México: Fondo de Cultura Económica, 2004.

KEELEY, Lawrence H. A guerra antes da civilização. Tradução de Fábio Faria. São Paulo: É Realizações, 2012.

KLUCKHOHN, Clyde; MURRAY, Henry; SCHNEIDER, David M. Personalidade na natureza, na sociedade e na cultura. Tradução de Neil R. da Silva. Belo Horizonte: Itatiaia, v. 2., 1965.

KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. 14ed. rev. e ampl. Petrópolis-RJ: Vozes, 1997.

MAGALHÃES, Carlos Augusto Teixeira. O crime segundo o criminoso: um estudo de relatos sobre a experiência da sujeição criminal. Rio de Janeiro: UFRJ, 2006. (Tese defendida no Programa de Pós-graduação – Doutorado – em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais).

MALMBERG, B. Histoire de la Linguistique de Srinner à Saussure. Paris, P.U.F., 1961.

MARCINEIRO, N. ; TASCA, J. E. ; ROSA, I. O. ; ENSSLIN, L. ; FORCELLINI, F. A. . Plano de Comando da Polícia Militar de Santa Catarina: a construção de um modelo de gestão por meio da MCDA-C. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 9, p. 184-210, 2015.

MATZA, David. Becaming deviant. New Brunswick, New Jersey: Transaction Publishers, 2010 [1969].

MATZA, David. Becaming deviant. Englewood Cliffs, Nova Jérsei: Prentice-Hall, 1969.

MINOR, W.W. Tecniques of neutralization: A reconceptualization and empirical examination. Journal of Research in Crime and Delinquency, 18, p. 295-317, 1981.

MOLINARO, Aniceto. Metafísica: curso sistemático. Trad. João Paixão Neto; Roque Frangiotti. São Paulo: Paulus, 2002.

MOREIRA, Letícia de Sousa. Violência e paz: construção de conceitos, valores e posicionamentos de Oficiais da Polícia Militar. Brasília-DF: Instituto de Psicologia da UnB, 2016. (Tese do Doutoramento em Desenvolvimento Humano)

NOICA, Constantin. As seis doenças do espírito contemporâneo. Tradução de Fernando Klabin; Elena Sburlea. Rio de Janeiro: Record, 1999.

PINCKAERS, S. Le langage scolastique, langage rationnel. Anais do XIII Congrès des Sociétés de philosophie de langue française. Neuchâtel, Suíça: A la Baconnière, pp. 124-128. 1966.

REIS, Gilberto Protásio dos. O Instituto Brasileiro de Segurança Pública e o desafio da escolha do paradigma para alta performance na observação científica da criminalidade. Revista do Instituto Brasileiro de Segurança Pública, n. 1, v. 1, p. 24-54, 2018. Disponível em: < http://ibsp.org.br/ibsp/revista/index.php/RIBSP/article/view/7/7 >. Acesso em: 30 abr. 2018.

REIS, R. R.; MARCINEIRO, N. Análise da Contribuição da avaliação de desempenho da PMSC na redução dos indicadores de letalidade violenta na cidade de Camboriú em 2013. Ordem Pública, v. 7, p. 79-99, 2014.

SMITH, David J. Crime and the life course. In: MAGUIRE, M; MORGAN, R.; REINER, R. (eds.). The Oxford Handbook of Criminology¸ 40ed. Oxford University Press, p. 641-686, 2007.

SOROKIN, Pitirim Aleksandrovich. Sociedade, cultura e personalidade. Tradução de João Batista Coelho Aguiar; Leonel Vallandro. Porto Alegre: Globo, 1968.

SUTHERLAND, Edwin H. White collar crime: the uncut version. London: Yale University Press, 1983.

SYKES, Gresham M.; MATZA, David. Techniques of neutralization: a theory of delinquency. In: American Sociological Review, v. 2, n. 6, pp. 664-670, dez. 1957.

TOTH, Tihamer. Creio em Deus. 2ed. Tradução de João Correia Pinto. Porto, Portugal: Apostolado da Imprensa, 1956.

VYGOTSKY, L. S. A construção do Pensamento e linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

6 PARECER DO COLÉGIO DE FUNDADORES DO IBSP

( X ) Aprovada  (  ) Aprovada com ressalvas  (  ) Reprovada

[1] As referências a esse autor encontram-se na versão portuguesa e espanhola do livro referenciado, isto é, Sorokin (1968). Contudo, algumas das citações foram retiradas da versão espanhola, que é Sorokin (1966). As duas são indistintamente referidas aqui como sendo apenas a primeira.

The following two tabs change content below.