CRIAÇÃO DE CAVALOS DE USO POLICIAL MILITAR NA POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA

Palavras-chave: Características, Cavalo policial militar, Reprodução, Seleção, Boas práticas

Resumo

A seleção de cavalos por aquisição, com o objetivo de usá-los como cavalos policiais, é uma tarefa complexa. Bom temperamento e alta estatura são características essenciais para um cavalo da Polícia Militar. Neste estudo, os modelos de compra ou criação de cavalos foram comparados, analisando cada modelo e suas consequências para o PMSC. As necessidades do PMSC determinaram as características desejadas para cavalos da Polícia Militar como base para comparação dos dois modelos (compra versus cavalos reprodutores) para uso pela Polícia Militar na PMSC. Os dois modelos também foram comparados quanto à viabilidade e eficácia. A metodologia utilizou fontes bibliográficas e documentais. O modelo de compra foi amplamente utilizado até 2013 e a criação começou em 2014. Os custos da criação foram compatíveis com o padrão desejado para cavalos policiais e os benefícios de temperamento e morfologia superam os de aquisição por compra. Este estudo pode ser utilizado para auxiliar outros policiais militares no Brasil, na decisão de criar cavalos para uso próprio.

Biografia do Autor

Fernando Jahn Bessa, Polícia Militar de Santa Catarina

Capitão da Polícia Militar de Santa Catarina. Graduado em Direito (UNIVALI); especialista em Gestão da Ordem Pública (FAPOM); Mestrando em Agroecossistemas (UFSC). E-mail: fjbessa@hotmail.com

Denise Pereira Leme, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Graduação (1993), mestrado (1998) e doutorado (2003) em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, com período do doutorado realizado na University of California, Davis, EUA . Atualmente, Professora Associada 1 do Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural e colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas da Universidade Federal de Santa Catarina. Chefe do Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural do Centro de Ciências Agrárias (2010 a 2012) e diretora do Departamento de Integração Acadêmica e Profissional da Pró-Reitoria de Graduação da UFSC (2013 a 2016). Experiência em fisiologia e reprodução de garanhões, desenvolveu e descreveu a técnica de Citologia Aspirativa por Agulha Fina (CAAF) em testículos de garanhões. Autora de trabalhos sobre esta técnica em diferentes mamíferos domésticos e selvagens. Participa do grupo de pesquisa Morfofisiologia da Lontra longicaudis. Coordena o Núcleo de Equideocultura e Bem-estar de Equinos (NEBEq) do Laboratório de Etologia e Bem-estar Animal (LETA) da UFSC desde 2009, onde atualmente orienta predominantemente trabalhos acadêmicos, dissertações, pesquisas e projetos de extensão sobre os temas etologia e bem-estar de equinos, equideocultura e reprodução animal. 

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE CRIADORES DO CAVALO DE HIPISMO. Histórico BH. Disponível em: http://brasileirodehipismo.com.br/site/nhtml/nstbh_historicobh.asp>. Acesso em: 20 out. de 2018.

BRASIL. Ministério da Agricultura, pecuária e abastecimento. Revisão do estudo do complexo do agronegócio do cavalo. Brasília, 2016.

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Comando Logístico. Normas para controle dos equídeos no Exército Brasileiro - (NORCE): EB40-N-30.001. Brasília, 2013.

BRASIL. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Estado Maior do Exército. Manual de campanha: emprego da cavalaria: C2-1. 2. ed. Brasília, 1999.

CHILE. Carabineros de Chile. Dirección Nacional de Logística. Departamento L4. Cartillha para la aplicación de la impronta equina em haras institucionales. Santiago, 2013.

CHRISTENSEN, J. W. Fear in horses: responses to novelty and habituation. Uppsala: Sveriges Iantbruks univ, 2006. Disponível em: https://pub.epsilon.slu.se/1016/1/JWC2.pdf. Acesso em: 25 ago. 2018.

DE ROSA, G. et al. The influence of early handling on the behavioral reaction off foals at 2 months of age. Italian Journal of Animal Science, vol. 4, p. 409-411, 2005.

HOUPT, K.; SACKMAN, J. Equine Personality: association with breed, use, and husbandry factors. Journal of EquineVeterinary Science, v. 72, p. 47-55, 2019. Disponível em: https://reader.elsevier.com/reader/sd/pii/S0737080618301321?token=26B2420E48B6D7554BC672FE14E376C0330DC788DA23388336625F396BF1F3B5F11E4FFB590404605AD0BCE604641579. Acesso em: 25 ago. 2018.

JANCZAREK, I. et al. Responses of horsesbreeds to a sympathetic training method. Journal of Equine Veterinary Science, vol. 33, p. 794-801, 2013.

LANSADE, L.; BERTRAND, M.; BOUISSOU, M-F. Effects of neonatal handling on subsequent manageability, reactivity and learning ability of foals. Applied Animal Behaviour Science, v. 92, p. 143-158, 2005. Disponível em: http://web.mnstate.edu/stockram/sdarticle.pdffoalneonatalhandling.pdf. Acesso em: 25 ago. 2018.

LIMA, B. N. de O. Variabilidade na expressão da reatividade de potros brasileiro de hipismo. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/150929/lima_bno_me_jabo.pdf?sequence=3. Acesso em: 25 ago. 2018.

MAÇANEIRO, M. E. G. Reatividade de potros da Polícia Militar de Santa Catarina: avaliação inicial. Monografia (Graduação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias. Zootecnia, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/189847/Maria%20Eug%C3%AAnia%20Gaya%20Ma%C3%A7aneiro%20-%202017.2.pdf.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 25 ago. 2018.

MUNSTERS, C.C.B.M. et al. Physiological and behavioral responses of horses during police training. Animal 7, 2012, p. 822-827.

NORTON, T. et al. Automated real-time stress monitoring of police horses using wearable technology. Applied Animal Behaviour Science, v. 198, p. 67-74, 2018. Disponível em: https://hau.collections.crest.ac.uk/17214/1/Tomas%20Norton%20automated%20real%20time%2017%20Sep%2017%20upload.pdf. Acesso em: 25 ago. 2018.

PIERARD, M.; MCGREEVY, P., GEERS, R. Developing behavioral tests to support selection horses. Journal of Veterinary Behavior, v.19, p.12, 2017.

POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA. Procedimento operacional padrão: patrulhamento montado: POP702.1, Florianópolis: PMSC, 2011.

POLÍCIA MILITAR DESANTA CATARINA. Termo de referência para aquisição de equinos/contratação de bens e serviços, anexo 1. Florianópolis, PMSC, 2013.

SCHMIDEK, A; OLIVEIRA, J. V.; MIGUEL, F. B. Influência da manipulação de potros ao nascimento sobre o comportamento ao cabrestear. Pesquisa & tecnologia, vol 8, n. 56, 2011. Disponível em: http://www.aptaregional.sp.gov.br/acesse-os-artigos-pesquisa-e-tecnologia/edicao-2011/2011-julho-dezembro/1105-influencia-da-manipulacao-de-potros-ao-nascimento-sobre-o-comportamento-ao-cabrestear/file.html. Acesso em: 25 ago. 2018.

SIMPSON, B. Neonatal foal handling. Applied Animal Behaviour, v. 78, p. 303-317, 2002.

SPIER, S.J. et al. Outcome of tactile conditioning of neonates, or “imprinting training” on selected handling measures in foals. The Veterinary Journal, v. 168, p. 252-258, 2004.

SUWALA, M. et al. A desired profile of horse personality – A survey study of polish equestrians based on new approach to equine temperament and character. Applied Animal Behaviour Science, v. 180, p. 65-77, 2016. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/301773135_A_desired_profile_of_horse_personality_-_A_survey_study_of_Polish_equestrians_based_on_a_new_approach_to_equine_temperament_and_character. Acesso em: 25 ago. 2018.

WARREN-SMITH, A.K., MCGREEVY, P. Equestrian coaches understanding and application of learning theory in horse training. Anthrozoös, p.153-154, 2008. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/226713735_Training_Methods_and_Horse_Welfare. Acesso em: 25 ago. 2018.

WIRES, C. C. Exploring horse reactivity and habituation across work types. Master. Middle Tennessee State University, 2017.
Publicado
2020-08-21
Como Citar
Jahn Bessa, F., & Leme, D. (2020). CRIAÇÃO DE CAVALOS DE USO POLICIAL MILITAR NA POLÍCIA MILITAR DE SANTA CATARINA. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 3(7), 105-117. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v3i7.86