VITIMIZAÇÃO POLICIAL

Estudo das violências sofridas por integrantes da Polícia Militar de Mato Grosso durante o período de folga

  • Rodrigo Varela Ferreira Polícia Militar de Mato Grosso
  • Victor Hugo Cabelho Polícia Militar de Mato Grosso
  • Edson Benedito Rondon Filho Instituto Brasileiro de Segurança Pública - IBSP http://orcid.org/0000-0003-4267-2393
Palavras-chave: Violência, Vitimização policial militar, Período de folga, Formação policial

Resumo

Esta pesquisa objetiva conhecer a vitimização policial na Polícia Militar de Mato Grosso (PMMT) durante o período de folga. O problema de pesquisa é: qual a interferência do treinamento oferecido nos cursos de formação da PMMT na capacitação dos militares para atuação em ocorrências durante o seu período de folga quando estes figuram como vítimas do crime e da violência? A hipótese levantada é que a falta de preparação na formação representa uma causa possível para vitimização do policial nas horas de folga, mas pode não ser preponderante em razão de outros fatores de risco. A pesquisa possui abordagem quanti-qualitativa, através do método hipotético-dedutivo. Os dados foram coletados por pesquisa bibliográfica e aplicação de questionário on-line. Os resultados apontam para a confirmação da hipótese e indicativos de que a atual metodologia de treinamento ofertada pela instituição necessita ser repensada.

Biografia do Autor

Rodrigo Varela Ferreira, Polícia Militar de Mato Grosso

Capitão da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso, Bacharel em Segurança Pública pela Academia de Polícia Militar Costa Verde (APMCV).

Victor Hugo Cabelho, Polícia Militar de Mato Grosso

Capitão da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso, Bacharel em Segurança Pública pela Academia de Polícia Militar Costa Verde (APMCV).

Edson Benedito Rondon Filho, Instituto Brasileiro de Segurança Pública - IBSP

Doutor em Sociologia pelo PPGS/UFRGS, na linha de Violência, Criminalização, Cidadania e Direito com estágio doutoral (sanduíche) junto ao Centre de Recherche Sociologique sur le Droit et les Institutions Pénales (CESDIP) / França (2013). Mestre em Educação (IE/ UFMT - 2008). Especialista em Inteligência de Segurança Pública pela FAECC - UFMT (2008). Especialista em Gestão de Segurança Pública pela FAECC- UFMT (2003). Bacharel em Ciências Sociais (UFMT - 2010). Bacharel em Direito pela UFMT (2001). Graduado no Curso de Formação de Oficiais pela Academia de Polícia Militar do Estado de Goiás (1994). Coronel da reserva remunerada da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso. Diretor do Conselho Deliberativo do Instituto Brasileiro de Segurança Pública.

Referências

ANDRADE, Adeir Boida de. Balística Forense. Salvador: Academia da Polícia Militar, 2008.

ANUÁRIO BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. 13ªed. 2019. Disponível em:< http://www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/02/Anuario-2019-v6-infogr%C3%A1fico-atualizado.pdf>. Acesso em: 12 Out. 2019.

ARAÚJO, Fernando Beuren. Sobrevivência Policial na folga e no trabalho: Uma questão de segurança pública. Florianópolis, 2017.

ARTWOHL, Alexis; CRISTENSEN, Loren W. Deadly force encounters: what cops need to know to mentally and physically prepare for and win a gunfight. Colorado: Paladin Press, 1997.

______. Perceptual and memory distortions during officer invilved shootings. FBI Law Enforcement Bulletin, Washington, v. 71, n. 10, p. xx, October, 2002.

COHEN, Lawrence; FELSON, Marcus. Social Change and Crime Rate Trends: A Routine Activity Approach. American Sociological Review. llinois. v. 44. p. 588–608. 1979.

FREITAS, Felipe Palma. O Mito do Tiro na Perna como Padrão de Neutralização de um Agressor em Situações de Combate. 2013.

GESTOSO, Jose Ignacio Cano. “A importância do microdesarmamento na prevenção da violência”. Insegurança Pública, reflexões sobre a criminalidade e a violência urbana. Org. Nilson Vieira Oliveira. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

GIRALDI, Nilson. Tiro defensivo na preservação da vida Método Giraldi: doutrina para a atuação armada da polícia e do policial com a finalidade de servir e proteger a sociedade e a si próprio. São Paulo: PMESP, 2008.

GROSSMAN, Dave; CRISTENSEN, Loren W. One Combat: The Psycology and Physiology of Deadly Conflict in War and in Peace. 2nd ed. PPCT Research Publications, 2007.

______. Matar!: um estudo sobre o ato de matar e o preço cobrado do combatente e da sociedade. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2007.

KUHN, Thomas S. A Estrutura das Revoluções Científicas. 10. Ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003.

MANSO, Bruno Paes. “Ação e Discurso – Sugestões para o Debate da Violência”. Insegurança Pública, reflexões sobre a criminalidade e a violência urbana. Org. Nilson Vieira Oliveira. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.

MATO GROSSO (ESTADO). Lei Complementar Nº 386/2010. Dispõe sobre a estrutura e organização básica da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso e dá outras providências. Cuiabá: DOE de Março de 2010.

METELO, Everson Cesar Gomes. Uso da Força nas Ações Policiais: Uma Realidade de Mato Grosso. Rev. Homens do Mato. Várzea Grande v. 10, 2013.

MINAS GERAIS, Polícia Militar de. Caderno Doutrinário 01 – Intervenção Policial, Processo de Comunicação e Uso de Força. Belo Horizonte: Academia de Polícia Militar, 2013.

MINAYO, Maria Cecília de Sousa; SOUZA, Edinilsa Ramos de; CONSTANTINO, Patrícia. Riscos percebidos e vitimização de policiais civis e militares na (in) segurança pública. Rio de Janeiro, 2007.

OLIVEIRA, Humberto Wendling Simões de. Sobrevivência Policial: Morrer não faz parte do plano. Edição do autor. Uberlândia: Clube de Autores, 2018.

______. Autodefesa contra o crime e a violência: Um guia para civis e policiais. Edição do autor. Uberlândia: Clube de Autores, 2018.

OLIVEIRA, Maria Marly de. Como fazer pesquisa qualitativa. 3. Ed. rev. E ampl. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

PELLEGRINI, Marcel; MORAES, Edimar. Tiro de combate: Pistola, fundamentos e habilidades. São Paulo: Schoba, 2017.

PINIZZOTTO, J. Anthony; DAVIS, Edward F; MILLER, Charles E. Violent Encounters: A Study of Felonious Assaults On Our Nation’s Law Enforcement Officers, USA, 2006.

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE MATO GROSSO. Portaria Nº 005/DEIP/PMMT/2017. Padroniza e Ressalta os Protocolos a Serem Seguidos nas Instruções de Tiro Policial no âmbito da PMMT e dá outras providências. Cuiabá: BCG de Nº 1731, 2017.

______. Manual de Procedimento Operacional Padrão (POP) da PMMT. Cuiabá, 2009.

SANDES, Wilquerson Felizardo; BERGAS, Orivaldo Peres. Uso do Biofeedback no Treinamento Policial. Rev. Bras. Segurança Pública. São Paulo v. 07, n.01, 2013.

SANTOS, Irlan Massai Calaça dos. Mentalidade Tática Policial e As 4 Etapas do Treinamento de Alto Rendimento. Fator 3 Treinamento. 2018.

VASCONCELOS, Cleidson. Armas de Fogo e Autoproteção - Técnicas Táticas e Procedimentos. Porto Alegre, Ed. Alcance. 2015.

VISACRO, Alessandro. Guerra Irregular – Terrorismo, guerrilha e movimentos de resistência ao longo da história. Ed. Contexto. 2009.
Publicado
2020-05-21
Como Citar
Ferreira, R., Cabelho, V., & Rondon Filho, E. (2020). VITIMIZAÇÃO POLICIAL. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP), 3(1), 9-52. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v3i1.75