O INSTITUTO BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA E O DESAFIO DA ESCOLHA DO PARADIGMA PARA ALTA PERFORMANCE NA OBSERVAÇÃO CIENTÍFICA DA CRIMINALIDADE

  • Gilberto Protásio dos Reis IBSP
Palavras-chave: Sindérese. Aristotelismo-Tomismo. Criminalidade. Segurança Pública. Instituto Brasileiro de Segurança Pública

Resumo

O artigo sugere as bases fundantes da isenção ideológica, do rigor científico e da liberdade intelectual adotados como valores do Instituto Brasileiro de Segurança Pública, a partir de um olhar da segurança pública brasileira para fora da chave direita-esquerda, refutando o positivismo (naturalismo) e o idealismo sociológicos e adotando os postulados da Metafísica aristotélico-tomista, como alternativa teórica capaz de responder àquilo em que não se vem obtendo sucesso na comunidade acadêmica.

Referências

ANDERSEN, H. C. A roupa nova do imperador. Tradução de Gilda de Aquino. São Paulo: Brinque-Book, 1997.
ANÍSIO, Pedro. Sociologia evolucionista e sociologia cristã. João Pessoa: Teone, 1955.
AQUINO, Tomás de. Suma teológica. 3ed. São Paulo: Loyola, v. 1, 2009.
ARISTÓTELES. Metafísica. Trad. Edson Bini. Bauru-SP: Edipro, 2006.
ARISTÓTELES. Organon. Lisboa: Guimarães, 1987.
BARROS, Manuel Correia de. Filosofia Tomista. 2ed. rev. Porto-Portugal: Figueirinhas, 1945.
BECKER, Howard S. Falando da sociedade: ensaios sobre as diferentes maneiras de representar o social. Trad. Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.
BORELLA, Jean. Prefácio. In: SMITH, Wolfgang. A sabedoria da antiga cosmologia. Tradução de Adriel Teixeira, Bruno Geraidine e Cristiano Gomes. Campinas, SP: Vide Editorial, p. 9-17, 2017.
BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2005.
BOURDIEU, Pierre. Esboço de auto-análise. Tradução de Sérgio Miceli. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria da prática. In: ORTIZ, Renato (org.). Pierre Bourdieu: Sociologia. Tradução de de Paula Montero e Alícia Auzmendi. São Paulo: Ática, p. 46-86, 1994.
BOURDIEU, Pierre. Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.
BUENO, José Luiz. Gertrude Himmelfarb: modernidade, Iluminismo e as virtudes sociais. São Paulo: É Realizações, 2015.
BUSQUETS, Joan. Recepción de Agustín en el pensamiento de Lutero. Teología y Vida. Santiago, Chile: Pontificia Universidad Católica de Chile, v. XLIII, pp. 121-137, 2002. Disponível em: < http://www.scielo.cl/pdf/tv/v43n2-3/art04.pdf >. Acesso em: 8 nov. 2014.
CARVALHO, Olavo de. A metafísica e os fundamentos da objetualidade. In: Seminário de Filosofia. Rio de Janeiro: Faculdade da Cidade do Rio de Janeiro, 2002.
CASANOVA, Carlos A. Física e realidade: reflexões metafísicas sobre a ciência natural. São Paulo: Vide Editorial, 2013.
CASTRO, Susana de. Três formulações do objeto da Metafísica de Aristóteles. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.
CHARLE, C.; VERGER, J. História das Universidades. Tradução de Élcio Fernandes. São Paulo: Unesp, 1996.
CHESTERTON, G. K. O homem eterno. Tradução de Almiro Piseta. São Paulo: MC, 2010.
COHEN, L. E.; FELSON, M. Social change and crime rate trends: a routine activity approach. In: American Sociological Review, v. 44, p. 588-608, 1979.
COLLIN, E. Manual de Filosofia Tomista. Barcelona: Luis Gili, v. 1, 1950.
COLLINS, Phillip Darrell; COLLINS, Paul David. The Ascendancy of the Scientific Dictatorship: an examination of epistemic autocracy, from 19th to the 21st century. Bloomington, Indiana: iUniverse, 2004.
COMTE, August. Cours de philosophie positive. Paris: Hermann, 1975.
CORÇÃO, Gustavo. A descoberta do outro. Rio de Janeiro: Agir, 1952.
DERISI, Otávio Nicolás. A paisagem espiritual da Sociologia. Tradução de Vicente de Paulo Rocha Keppe. São Carlos-SP: Didática Brasileira, [s.d.].
DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. 3ed. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2007. [1895].
DURKHEIM, Émile. O que é fato social? In: RODRIGUES, José Albertino (Org.). Durkheim: Sociologia. Trad. Laura Natal Rodrigues. São Paulo: Ática, pp. 46-52, 1978.
ELOSEN, Anthony. The Politicaly Incorrect Guide to Western Civilization. Washington, D.C.: Regnery Publishing, 2008.
FABER, William Frederic. Progresso na vida espiritual. 2ed. Tradução de Mariana Nabuco. Petrópolis-RJ: Vozes, 1939 [1854].
FEDELI, Orlando. Gnose: religião oculta da História. São Paulo: Montfort, [s.d.].
FINNIS, John. Natural law and natural rights. Oxford: Clarendon Press, 2003.
FONTOURA, Amaral. Introdução à Sociologia. Porto Alegre: Globo, 1966.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
FRAGOSO, Heleno C. Prefácio. In: ANCEL, Marc. A nova defesa social. Tradução de Osvaldo Melo. Rio de Janeiro: Forense, p. vii-viii, 1979.
FREIDSON, Eliot. Professionalism: the third logic. Chicago, USA: The University Chicago Press, 2001.
FREITAS, Renan Springer de. Sociologia do conhecimento, pragmatismo e pensamento evolutivo. Bauru, SP: EDUSC, 2003.
GIL, Fernando; GIORELLO, G. La controverse comme méthode. Revue de synthèse, n. 116, p. 435-450, out.-dez. 1984.
GORDON, Flávio. A corrupção da inteligência: intelectuais e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Record, 2017.
GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere: os intelectuais, princípio educativo, jornalismo. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v. 2, 2001.
GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere: Maquiavel, notas sobre o Estado e a política. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v. 3, 2000.
GUERRA, Andréa. Do Holocausto nazista à nova Eugenia no século XXI. Ciência e Cultura. São Paulo, v. 58, n. 1, p. 4-5, jan.-mar. 2006. Disponível em: < http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v58n1/a02v58n1.pdf >. Acesso em: 18 out. 2014
GURVITCH, Georges. A vocação atual da Sociologia. Trad. Orlando Daniel. Lisboa: Cosmos, v. 2, 1986.
GUSMÃO, Luís de. O fetichismo do conceito: limites do conhecimento teórico na investigação social. 2ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 2012.
HALDANE, John Burdon Sanderson. Possible words and other essays. Londres, Inglaterra: Chatto & Windus, 1927.
HEGEL, G. W. F. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio. Tradução de Paulo Meneses. São Paulo: Loyola, 1995 [1830].
HEIDEGGER, Martin. Os conceitos fundamentais da Metafísica: mundo, finitude, solidão. Trad. M. Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.
HULSMAN, Louk. La criminología critica y el concepto del delito. In: RAMÍREZ, Juan Bastos. Prevencion y teoria de la pena. Santiago de Chile:. Editorial Jurídica ConoSur, 1995.
JAKI, Stanley L. Science and Creation: from eternal cycles to an oscillating universe. Edinburg: Scottish Academic Press, 1986.
KANT, Imannuel. Crítica da razão pura. Trad. Manuela Pinto dos Santos; Alexandre Fradique Mirujão. 5ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2001.
KANT, Immanuel. Prefazione. In: ______. Crítica da razão pura. Milão: Adelphi, 1976.
KANT, Immanuel. Prefazione, Prolegomeni ad ogni metafisica futurache si presenterà come scienza. Bari: Laterza, 1982.
KANT, Immanuel. Prolegômenos a toda metafísica futura que queira apresentar-se como ciência. Tradução de.Artur Mourão. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1988.
KISSINGER, Henry Alfred. (Coord.). National Security Study Memorandum 200. Washington, DC: Conselho de Segurança Nacional, 1974.
KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 5ed. São Paulo: Perspectiva, 1998.
KUHN, Thomas. Reflections on my Critics. In: LAKATOS, I.; MUSGRAVE, A. (Org.). Criticism and the Growth of Knowledge. Cambridge: Cambridge University Press, p. 231-278, 1970.
LAKATOS, Imre. História da ciência e suas reconstruções racionais. Lisboa: Edições 70, 1978.
LEFEBVRE, Henri. Sociologia de Marx. Rio de Janeiro: Forense, 1968.
LEWIS, C. S. Miracles. London & Glasgow: Collins/Fontana, 1947.
LEWIS, C. S. Milagres. [s.l.]: Editora Vida, 2006. Disponível em: < http://sumateologica. files.wordpress.com/2009/07/c-s-lewis-milagres-um-estudo-preliminar. pdf >. Acesso em: 10 out. 2014.
LEWONTIN, Richard. Billions and Billions of Demons. In: New York Reviews of Books, maio 1997.
LIMA, Renato Sérgio; RATTON, José Luiz; AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli de. (Orgs.). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.
LUENGO, Gregorio Celada, OP. Introducción a la Suma de Teologia de Santo Tomas de Aquino. In: AQUINO, Tomás de. Summa Theologica. Madrid, Espanha: Biblioteca de Autores Cristianos, p. 75-84, 2001.
MACHADO NETO, A. L. Formação e temática da Sociologia do Conhecimento. São Paulo: EDUSP, 1979.
MALMBERG, B. Histoire de la Linguistique de Srinner à Saussure. Paris, P.U.F., 1961.
MAQUET, Jacques J. La Sociologie de la Connaissance: sa structure et ses rapports avec la philosophie de la connaissance, étude critique des systémes de Karl Mannheim et de Pitirim A. Sorokin. Louvain, Bélgica: Edouard Nauwelaerts for the Institute de Recherches Économics et Sociales, 1949.
MARCUSE, Herbert. O homem unidimensional. 4ed. Tradução de Giasone Bebuá. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.
MARCUSE, Herbert. Pela frente das esquerdas – entrevista. In: LOUREIRO, I. Herbert Marcuse: a grande recusa hoje. Petrópolis: Vozes, 1999.
MARRAMAO, Giacomo. Céu e Terra: genealogia da secularização. São Paulo: Unesp, 1994.
MARTINI, Ricardo Agostini. Os programas de pesquisa lakatosianos e a metodologia da Economia neoclássica: contribuições e críticas. Belo Horizonte: CEDEPLAR/UFMG, 2008.
MARX, Karl. Debatten über das Holzdiebstahlsgesetz. Von einen Rheinländer (Debates acerca da Lei sobre o Furto de Madeira. Por um Renano, 1° nov. 1842. In : MARX, Karl; ENGELS, Werke. Obras de Marx e Engels. v. 1, 1961, pp. 109-147. Trad. Emil Asturig von München. Disponível em: < http://www.scientific-socialism.de/KMFEDireitoCAP7Port.htm >. Acesso em: 15 fev. 2013.
MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. São Paulo: Martin Claret, 2005 [1848].
MARX, Karl. O capital. v. 1, tomo 2. São Paulo: Nova Cultural, 1996. (Coleção Os Economistas).
MAUSS, Marcel. Uma categoria do espírito humano: a noção de pessoa, a de "eu". In: MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU, p. 367-397, 1974.
MEDEIROS, Sílvio. Entendendo o pensamento de esquerda: de Kant à Escola de Frankfurt. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=-xeuOw2KMg4 >. Acesso em: 3 fev. 2018.
MILLET, Allan. Military professionalism and officership in America. Columbia: Mershon Center of the Ohio State University, 1977.
MITTNER, L. Storia della Letteratura Tedesca: Dall Pietismo al Romanticismo. Milão, Itália: Einandi, 1964.
MOLINARO, Aniceto. Metafísica: curso sistemático. Tradução de João Paixão Neto; Roque Frangiotti. São Paulo: Paulus, 2002.
MONTEIRO, Rodrigo Bentes. As Reformas Religiosas na Europa Moderna: notas para um debate historiográfico. Varia Historia. Belo Horizonte, v. 23, n. 37, jan.-jun. 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-87752007000100008 >. Acesso em 21 out. 2014.
MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Tradução de Maria D. Alexandre; Maria Alice Sampaio Dória. 12ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.
MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.
NICOLAS, Marie-Joseph. Introdução à Suma Teológica. In: AQUINO, Tomás de. Suma Teológica. 3ed. São Paulo: Loyola, v. 1, p. 23-68, 2009.
NOICA, Constantin. As seis doenças do espírito contemporâneo. Tradução de Fernando Klabin; Elena Sburlea. Rio de Janeiro: Record, 1999.
NOUVEL, Pascal. Filosofia das ciências. Trad. Rodolfo Eduardo Schachetti; Vanina Carrara Sigrist. Campinas-SP: Papirus, 2013.
OWENS, Joseph. The doctrine of being in the Aristotelian metaphysics: a study in the Greek background of mediaeval thought. Toronto: Pontifical Institute of Mediaeval Studies. 1957.
PERNOUD, Régine. Luz sobre a Idade Média. Tradução de Antônio Manuel de Almeida Gonçalves. Portugal: Europa-América, 1997.
PERNOUD, Régine. Idade Média: o que não nos ensinaram. Tradução de Maurício Brett Menezes, 2ed. Rio de Janeiro: Agir, 1994.
PERNOUD, Régine. O mito da Idade Média. Tradução de Maria do Carmo Santos. Mira-Sintra, Portugal: Europa-América, 1997.
PINCKAERS, S. Le langage scolastique, langage rationnel. XIII Congrès des Sociétés de philosophie de langue française. Neuchâtel, Suíça: A la Baconnière, p. 124-128, 1966.
POPPER, Karl R. A Lógica da pesquisa científica. São Paulo: EDUSP, 1985.
RAMPAZZO, Lino. O pensamento filosófico tomasiano: metafísica e antropologia, ética e justiça, direito e lei. Fortaleza-CE: Anais do XIX Encontro Nacional do CONPEDI, 09 a 12 jun. pp. 5420-5434, 2010. Disponível em: < http://www.conpedi.org.br/manaus/arquivos/ anais/fortaleza/3138.pdf >. Acesso em 12 jun. 2014.
REIS, Gilberto Protásio dos. “Nem cora o livro de ombrear co’o sabre, nem cora o sabre de chamá-lo irmão”: a dualidade de “habitus” da cultura policial-militar. Belo Horizonte: PUC Minas, 2016a. (Tese apresentada ao Programa de Doutorado em Ciências Sociais).
REIS, Gilberto Protásio dos. Políticas de Estado na segurança pública: metodologia para gestão de longo prazo no Brasil. São Paulo: Sicurezza, 2014.
REIS, Gilberto Protásio dos. Projetos complexos de longo prazo na segurança pública. Belo Horizonte: Escola de Governo da Fundação João Pinheiro, 2009. (Monografia da Pós-graduação “Lato sensu” em Gestão Estratégica da Segurança Pública).
RIGHI, Maurício G. Prefácio à edição brasileira. In: DAWSON, Christopher. Dinâmicas da História do mundo. Trad. Maurício G. Righi. São Paulo: É Realizações, p. 7-16, 2010.
SÁENZ, Alfredo. Antonio Gramsci y la revolución cultural. Disponível em:< https://www.youtube.com/watch?v=nU2jVGAR2kw >. Acesso em: 3 fev. 2018.
SAHLINS, Marshall. Esperando Foucault, ainda. Trad. Marcela Coelho de Souza; Eduardo Viveiros de Castro. São Paulo: Cosac Naify, 2013.
SAPORI, Luiz Flávio. Avanço no socioeconômico, retrocesso na segurança pública: paradoxo brasileiro? In: Desigualdade & Diversidade (PUCRJ), v. 11, p. 133-158, 2012.
SILVA, Rodrigo Cássio Marinho da. A Sociologia Militar aplicada à Sociologia das Profissões: a carreira militar e sua profissionalização. Áskesis, v. 3, n. 1, p. 85-100, jan.-jun. 2014. Disponível em: < https://revistaaskesis.files.wordpress.com/2014/07/07_artigos_askesis2014_rodrigomarinho.pdf >. Acesso em: 21 nov. 2015.
UREÑA, Enrique M. O mito do cristianismo socialista: crítica econômica de uma controvérsia ideológica. Trad. Luiz João Gaio. São Paulo: Loyola, 1982.
VANDENBERGHE, Frederic. As condições de possibilidade do conhecimento do objeto e o objeto do conhecimento na sociologia. In: Estudos de Sociologia. Revista do Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFPE. v. 7. n. 1,2. p. 171-185, [s.d.].
VIEGAS, Carlos Eduardo M. A profissão militar e as mudanças na guerra: devem os militares combater o crime urbano? Revista Olhar, v. 4, n.7, p. 55-63, 2003.
VILLEY, Michel. O direito e os direitos humanos. Tradução de Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
VOEGELIN, Eric. Reflexões autobiográficas. Trad. Maria Inês de Carvalho. São Paulo: É Realizações, 2007.
WEBER, Max. A “objetividade” do conhecimento nas ciências sociais. In: COHN, Gabriel (Org.). Max Weber: Sociologia. São Paulo: Ática, pp. 79-127, 1982.
WEBSTER, Richard. Freud estava errado. Por quê? Trad. João Alves Falcato. Porto: Portugal: Campo das Letras, 2002.
WEIKART, Richard. From Darwin to Hitler: evolucionary ethics, eugenics and racism in Germany. New York: Pallgrave Macmillan, 2006.
TARDE, Gabriel. Las Leys de la imitatión. 2ed. Tradução de Alejo Garcia Górgora. Madrid: Daniel Jorro, 1907.
Publicado
2018-02-25
Como Citar
dos Reis, G. (2018). O INSTITUTO BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA E O DESAFIO DA ESCOLHA DO PARADIGMA PARA ALTA PERFORMANCE NA OBSERVAÇÃO CIENTÍFICA DA CRIMINALIDADE. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP), 1(1), 24-54. Recuperado de http://ibsp.org.br/ibsp/revista/index.php/RIBSP/article/view/7