A “SINDÉRESE” COMO BASE PARA ENTENDER A MENTALIDADE CRIMINOSA

Freud (ou algum outro do mesmo paradigma) explica?

  • Gilberto Protásio dos Reis Instituto Brasileiro de Segurança Pública
  • Letícia de Sousa Moreira PUC Goiás
  • Victor Augusto de Azevedo Ferreira
Palavras-chave: Habitus, sindérese, consciência, comportamento, criminalidade

Resumo

O artigo mostra que a Psicologia do Desenvolvimento do século XXI vem fazendo descobertas que reforçam a Psicologia Medieval, que afirmava a característica mental universal e inata de discernimento moral em toda pessoa humana. Analisa a influência do nominalismo e do empirismo, como produtores de alheamento a essa realidade por parte de variados pensadores atuais do campo da Psicologia. Como via para a superação desse problema, situa a “sindérese” no âmbito de alcance da palavra “habitus” e, embasa as considerações em alguns resultados de duas pesquisas de campo da Sociologia do Crime. Ao final, argumenta que essas duas palavras gregas são importantes para a compreensão da mentalidade que precede a conduta criminosa.   

Biografia do Autor

Gilberto Protásio dos Reis, Instituto Brasileiro de Segurança Pública

Coronel da Polícia Militar de Minas Gerais. Doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Mestre em Administração Pública pela Escola de Governo da Fundação João Pinheiro/MG, Especialista em Gestão Estratégica da Segurança Pública pela Academia de Polícia Militar de Minas Gerais. É cofundador do Instituto Brasileiro de Segurança Pública e o atual Presidente do seu Conselho Editorial. Integrou comissão executiva e de pesquisa na Secretaria Nacional de Segurança Pública e na Secretaria de Estado de Defesa Social de Minas Gerais.

Letícia de Sousa Moreira, PUC Goiás

Psicóloga pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Mestre e Doutora em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde pela Universidade de Brasília, colaboradora em 2015/2016 no Programa Qualidade de Vida, da Secretaria Nacional de Segurança Pública. Major da Polícia Militar de Goiás. É membro do Instituto Brasileiro de Segurança Pública.

Victor Augusto de Azevedo Ferreira

Bacharel em Psicologia pelas Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros. Mestrando em Ciências Humanas pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Referências

ALLERS, Rudolph. Freud: estudo crítico da psicanálise. Porto, Porgugal: Livraria Alves Martins, 1970.
ALMEIDA, Rogério Miranda de. Nietzsche e Freud: eterno retorno e compulsão à repetição. São Paulo: Loyola, 2005.
AMARAL, Thaísa Vilela Fonseca. Vamos à atividade do dia: o acerto de contas no trabalho do tráfico de drogas varejista. Belo Horizonte: UFMG, 2014. (Dissertação do Programa de Pós-graduação “Stricto sensu” em Psicologia)
AQUINO, Tomás de. A sindérese e a consciência: questões disputadas sobre a Verdade. Questões 16 e 17. Tradução de Paulo Faintain, Paulo Veiga. Campinas, São Paulo: Ecclesiae, 2015.
AQUINO, Tomás de. Das potências intelectitivas: se a sindérese é uma potência especial distinta das outras. In: Suma Teológica. Tradução de Alexandre Correia: Campinas, SP: Ecclesiae, v. 1, 2016.
AQUINO, Tomás de. Questions disputées sur la vérité. Tradução de B. Jollès. Paris: [s.e.], 1983.
AQUINO, Santo Tomás de. Suma teológica. 3ed. São Paulo: Loyola, 2009.
ARISTÓTELES. De l’âme. Tradução de Richard Bodeüs. Paris: Flammarion, 1993.
ARISTÓTELES. Éthique à Nicomaque. Tradução de Richard Bodeüs. Paris: Flammarion, 2004.
ARISTÓTELES. Metafísica. Tradução de Edson Bini. Bauru-SP: Edipro, 2006.
BLOOM, Paul. O que nos faz bons ou maus. Tradução de Eduardo Rieche. 2ed. Rio de Janeiro: BestSeller, 2014.
BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Traduação de Jeni Vaitsman. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.
BOURDIEU, Pierre; WACQUANT, Loïc. Um convite à sociologia reflexiva. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2005.
BRENNAN, Robert Edward. Thomistic Psychology: A Philosophic Analysis of the Nature of Man. New York: The Macmillan Company, 1941.
CABRAL, Álvaro; NICK, Eva. Dicionário técnico de Psicologia. 14ed. São Paulo: Cultrix, 2006.
CABRAL, Roque e al (Orgs.). Sinderese. In: Logos, Enciclopedia luso-brasileira de Filosofia, v. 4. Lisboa, Portugal: Verbo, 1989.
CATHREIN, Victor. Die einheit des fittlichen bemusstfeins der menfcheit. Freiburg: Berber, 1914.
CAVALCANTI NETO, Lamartine de Hollanda. Aportes da Psicologia Tomista ao estudo da atenção. Lumen Veritatis, n. 7, abr.-jun., p. 82-95, 2009.
CAVALCANTI NETO, Lamartine de Hollanda. Contribuições da Psicologia Tomista ao estudo da plasticidade do ethos. São Paulo: Centro Universitário São Camilo, 2012. (Tese do Doutorado em Bioética).
CHAPMAN, A.H.; CHAPMAN-SANTANA, Mirian. The Influence of Nietzsche on Freud's Ideas. The British Journal of Psychiatry, v. 166, n. 2, p. 251-253, 1995. Disponível em: < https://www.cambridge.org/core/journals/the-british-journal-of-psychiatry/article/influence-of-nietzsche-on-freuds-ideas/8557C7EE2793827FB7AD66FE61F3ACFE >. Acesso em: 15 jul. 2018.
DE PAULA, Márcio Gimenes. É preciso duvidar de tudo? Philósophos, n. 8, v. 2, jul.-dez., p. 273-276, 2003. Disponível em: < http://www.ufg.br >. Acesso em 16 jun. 2018.
DOMINGUES, José Maurício. Teorias sociológicas no século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.
DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. 3ed. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2007. [1895].
ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.
FEFFERMAN, Marisa. Vidas Arriscadas: o cotidiano dos jovens trabalhadores do tráfico. Petrópolis: Vozes, 2006.
FREUD, Sigmund. O ego e o id. Tradução de José Octavio de Aguiar Abreu. Rio de Janeiro: Imago, 1976.
GARDEIL, Henri-Dominique. Iniciação à Filosofia de São Tomás de Aquino: Psicologia, Metafísica. São Paulo: Paulus, 2013.
GARRIGOU-LAGRANGE, R. La síntesis tomista. Tradução de Eugênio S. Melo. Buenos Aires: Desclée, 1946.
GUTIERREZ, Denise Machado Duran; MASCARENHAS, Suely Aparecida do Nascimento; SILVA, Gisele Cristina Resende Fernandes da. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 33, n. 1, p. 74-83, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/pcp/v33n1/v33n1a07.pdf >. Acesso em: 14 jul. 2108.
HAMLIN, J. Kiley; WYNN, Karen. Young infants prefer prosocial to antisocial others. Cogn Dev., v. 1, n. 26, p. 30-39, 2011.
HOBUSS, João. Sobre a disposição em Aristóteles: Héxis e Diathesis. Dissertatio, n. 31, p. 221-233, 2010.
HUSSERL, E. Problèmes fondamentaux de la Phénoménologie. Paris, França: PUF, 1991.
KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Trad. Manuela dos Santos; Alexandre Morujão. 3ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1994.
KANT, Immanuel. Resposta à pergunta: “O que é o Iluminismo?”. Tradução de Artur Morão. [S.l.]: [s.d.]. Disponível em: < http://www.lusosofia.net/textos/kant_o_iluminismo_1784.pdf >. Acesso em: 28 set. 2018.
KELLER, Mauro de Medeiros. Notas para a compreensão do conceito de sindérese no pensamento aristotélico-tomista e suas principais implicações práticas. São Paulo, Mirandum, v. 5, n. 11, jan.-jun., 2001. Disponível em: < http://www.hottopos.com/mirand11/ >. Acesso em: 14 jul. 2018.
KIERKEGAARD, Søren Aybe. Johannes Climacus ou É preciso duvidar de tudo. Tradução de Sílvia Saviano Sampaio, Álvaro Luiz Montenegro Valls. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
KRAFT, Eduardo Enrique. Tomas de Aquino y la psicopatologia. Temas de historia de la Psiquiatría Argentina, n. 11, 2001. Disponível em: < http://www.polemos.com.ar/docs/temas/Temas11/Indice.htm >. Acesso em: 14 jul. 2018.
LAHIRE, Bernard. De la teoría del habitus a una sociología psicológica. Revista de Investigación Educativa, n. 14, p. 75-105, 2012. Disponível em: < http://www.uv.mx/cpue/num14/inves/lahire_teoria_habitus.html >. Acesso em: 11 set. 2018.
LOCKE, John. Ensaio acerca do entendimento humano. Tradução de Anoar Aiex. São Paulo: Nova Cultural, 1999.
MAGALHÃES, Carlos Augusto Teixeira. O crime segundo o criminoso: um estudo de relatos sobre a experiência da sujeição criminal. Rio de Janeiro: UFRJ, 2006. (Tese defendida no Programa de Pós-graduação – Doutorado – em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais). Disponível em: < http://teses.ufrj.br/IFCS_D/CarlosAugusto TeixeiraMagalhaes.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2018.
MAUTNER, Thomas. Sindérese. In: MAUTNER, Thomas. Dicionário de Filosofia. Lisboa, Portugal: Edições 70, p. 688-689, 2011.
MERLEAU-PONTY, M. Phénoménologie de la Perception. Paris: Gallimard, 1945.
MOREIRA, Márcio Borges; MEDEIROS, Carlos Augusto de. Princípios básicos de análise do comportamento. Porto Alegre: Artmed, 2007.
NIETZCHE, Friedrich. Assim falava Zaratustra. Tradução de José Mendes de Souza. [s.l.]: E-Book, 2002. Disponível em: < http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/zara.pdf >. Acesso em: 17 jun. 2018.
NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral. São Paulo: Brasiliense, 1987.
OLIVEIRA, Claudio Ivan de. A psicologia de Tomás de Aquino: a vontade teleologicamente orientada pelo intelecto. Memorandum, n. 17, 08¬-21, 2009. Disponível em: < http://www.fafich.ufmg.br/~memorandum/a17/oliveira01.pdf >. Acesso em: 12 jul. 2018.
OLIVEIRA, Maria Consolata Ferreira de; ALMEIDA, Jorge Miranda de. Compreendendo a subjetividade: um diálogo entre Freud e Kierkegaard. São Paulo: Sociedade Brasileira de Estudos de Kierkgaard – SOBRESKI, 2012(?). Disponível em: < http://periodicos.uesb.br/index.php/jieks/article/view/2167/pdf_28 >. Acesso em: 25 jul. 2018. (XIII Jornada de Estudos de Kierkegaard)
PIAGET, Jean. A epistemologia genética. Petrópolis: Vozes, 1971.
PROTASIO, Myriam Moreira. Um estudo sobre a consciência em Kierkegaard. Ítaca, n. 16, p. 59-76, 2016. Disponível em: < file:///C:/Users/GILBERTO/Downloads/10097-19800-1-PB.pdf >. Acesso em: 16 jun. 2018.
RODRIGUES, Aroldo; ASSMAR, Eveline Maria Leal; JABLONSKI, Bernardo. Percepção social: conhecendo as outras pessoas. In: Psicologia Social. 32ed., 1 reimp. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, p. 124-156, 2015.
SCHUTZ, Alfred. El problema de la realidade social. Buenos Aires: Amorrortu, 2008.
SKINNER, B. F. Ciência e comportamento humano. Tradução de João Carlos Todorov; Rodolfo Azzi.São Paulo: Martins Fontes, 2003.
TELFORD, Charles W.; SAWREY, James M. Psicologia: uma introdução aos princípios fundamentais do comportamento. 5ed. Tradução de Octavio Mendes Cajado. São Paulo: Cultrix, 1980.
TORREL, Jean-Pierre. Iniciação a Santo Tomás de Aquino: sua pessoa e obra. São Paulo: Loyola, 1999.
TORREL, Jean-Pierre. Santo Tomás de Aquino: mestre espiritual. Tradução de J. Pereira. 2ed. rev. São Paulo: Loyola, 2008.
VALLE, Lilian de Aragão Bastos do. Aristóteles e a práxis: uma filosofia do movimento. Educação (Porto Alegre, impresso), v. 37, n. 2, p. 263-277, maio-ago. 2014. Disponível em: < revistaseletronicas.pucrs.br >. Acesso em: 9 jul. 2018.
VEBLEN, Thorstein B. A teoria da classe ociosa. Tradução de Olívia Krähenbühl. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
WACQUANT, Loic J. D. Esclarecer o hatibus. EDUCAÇÃO & LINGUAGEM, v. 10, n. 16, p. 63-71, jul.-dez. 2007.
WARNEKEN, F.; TOMASELLO, M. Helping and Cooperation at 14 Months of Age. Infancy, n. 11, p. 271-294, 2007.
WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
WEBSTER, Richard. Freud estava errado. Por quê? Trad. João Alves Falcato. Porto: Portugal: Campo das Letras, 2002.
WEINER, B. An Attribuitional Theory os Motivations and Emotion. Nova York Springer-Verlag, 1986.
WOLF, Werner. Fundamentos de Psicologia. Tradução de Olga Mantovani. 4ed. São Paulo: Mestre Jou, 1976.
Publicado
2018-10-21
Como Citar
Reis, G., Moreira, L., & Ferreira, V. A. (2018). A “SINDÉRESE” COMO BASE PARA ENTENDER A MENTALIDADE CRIMINOSA. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP), 1(2), 112-134. Recuperado de http://ibsp.org.br/ibsp/revista/index.php/RIBSP/article/view/22