MULHERES DE FARDA

vivências e experiências da inserção da mulher e do feminino na área da segurança pública.

  • Ledervan Vieira Cazé UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
Palavras-chave: Gênero. Polícia. Machismo

Resumo

O presente artigo é um recorte menor de uma pesquisa de dissertação de mestrado. Localiza-se conceitualmente entre o universo da Cultura Policial e aquele que diz respeito às relações de gênero que o marcam. Destarte, objetiva compreender como as distintas vivências e experiências das mulheres policiais traduzem sua difícil inserção e a própria condição feminina na área da segurança pública. De forma geral, a pesquisa tenta entender quais as perspectivas e os desafios que as mulheres enfrentam ao optar por construir uma carreira em meio a um universo profissional marcadamente masculino e repleto dos mais distintos tipos de preconceitos de gênero. Assim, o trabalho objetiva entender até que ponto essas mulheres policiais construíram sua história e desafiaram uma lógica institucional que, de forma ortodoxa, entendia e ainda entende a condição feminina como subalterna e frágil. Para tanto, utilizou-se uma metodológica qualitativa, essencialmente exploratória e de observação participante, dado a condição desse pesquisador no campo; com aplicação de questionários semiabertos às profissionais de distintas forças policiais e pela compreensão das suas diferentes subjetividades. Nesse sentido, constatou-se que, mesmo em meio ao discurso legalista e “politicamente correto” de respeito às diferenças de gênero, percebeu-se que sexismo e machismo ainda são latentes e vigentes no âmbito das instituições policiais e que as mulheres policiais, na totalidade das instituições pesquisadas, ainda não conseguiram desenvolver um estreitamento das relações de igualdade e, por consequência, ainda lutam por superar as mais distintas formas de preconceito. Por fim, percebe-se ainda que a reconstrução de um diálogo aberto com a totalidade da instituição policial, com a Sociedade e com os gestores que orientam os cursos de formação e afins, pode desenvolver uma dimensão de transformação e rompimento com essa lógica nefasta e, talvez, germinar uma cultura de respeito as diferenças no âmbito do mundo policial

Referências

ARANHA, Maria Lúcia Arruda/ MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução à filosofia. 3ª Edição revista. São Paulo: Moderna: 2003. BALESTRERI, Ricardo Brisola. Direitos Humanos: Coisa de Polícia.Passo fundo-RS, CAPEC, Paster Editora, 1998. BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. 4ª Ed. São Paulo: 1970. BORGES, F. C. Necessidade da Força Policial para o Estado: uma fundamentação sociojurídica. 2009. Disponível em: http://www.jurisway.org.br. Acessado em 10 de fevereiro de 2016. BOURDIEU, Pierre. O senso prático. Maria Ferreira. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2009. _____, Pierre. Meditações Pascalianas. Tradução: Sergio Miceli. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. _____, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre, RS: Zouk, 2013. _____, Pierre. A dominação Masculina. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. BRASIL, G.M. Mapa da Criminalidade e da Violência em Fortaleza. Uma publicação do Laboratório de Direitos Humanos, Cidadania e Ética da Universidade Estadual do Ceará-LabVidaUECE, Laboratório de Estudos da Conflitualidade da Universidade Estadual do Ceará-COVIOUECE, Laboratório de Estudos da Violência da Universidade Federal do Ceará-LEV-UFC, 2010. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 1998. _____. Plano Nacional de Segurança Pública. Brasília, DF, 2000. _____. Relatório Descritivo: Perfil das Organizações de Segurança Pública. Brasília, DF,2006. _____.Ministério da Justiça, 2017. Relatório do INFOPEN. Disponível em: http://www.justica.gov.br/seus-direitos/politica-penal/infopen_dez14.pdf/@@download/file. Acessado em 02 de Julho de 2017. BRUSCHINI, Cristina. Tesauro para estudos de gênero e sobre mulheres. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1998. CAIO TÁCITO, Poder de Polícia e seus limites, RDA27/1.2010. CALAZANS, Márcia Esteves de. A constituição de mulheres em policiais: um estudo sobre policiais femininas na Brigada Militar do Rio Grande do Sul. Instituto de Psicologia. PPG Psicologia Social e Institucional. UFRGS. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre, 2003. 128 páginas. Disponível em: http://www. lume.ufrgs.br/handle/10183/2940. Acesso em 03/02/2018. CALDEIRA, Tereza & HOLSTON, James. “Democracy, law and violence: disjunctions of Brazilian citizenship”. In AGÜERO, Felipe & STARK, Jeffrey (eds.). Fault lines of democracy in post-transition Latin America. Miami: North-South Center Press, 1998.
_____.“Democracy and violence in Brazil”. Society for Comparative Studies in Society and History, v. 41, n. 4, p. 691-729,1999. CEARA. Secretaria de Justiça e Cidadania – SEJUS, 2017. Disponivel em: http://www.sejus.ce.gov.br. Acessado em 07/10/2017. _____. Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social http://www.sspds.ce.gov.br. Acessado em 07/10/2017. – SSPDS, 2017. Disponível em: _____. O Cenário da Violência e da Criminalidade no Brasil e no Ceará: análise corporativa, 2017. Disponível em: http://www.ceara.gov.br. Acessado em 28/02/2018. DONADIO, Marcela. La mujer en las instituciones armadas y policiales : resolución 1325 y operaciones de paz en América Latina. 2009. Buenos Aires: RESDAL -Red de Seguridad y Defensa de América Latina. 1ª. Edição. 256 p. DIAS, Lúcia Lemos. A política de segurança pública entre o monopólio legítimo da força e os direitos humanos: a experiência da Paraíba no pós 1988. Universidade Federal de Pernambuco: Pós-Graduação em Serviço Social –Tese Doutorado –Recife, 2010. ELIAS, Norbert. A Sociedade dos indivíduos. Organizado por Michael Schroter; tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1994. _____, Norbert. O processo socializador. Tradução da versão inglesa, Ruy Jungmann; revisão apresentação e notas, Renato Janine Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1993. 2v. FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões.Vozes, Petrópolis, 1997. GI NOTÍCIAS, Lotação nos presídios do Ceará cai 32% entre 2015 e 2017. Disponível em: http://g1.globo.com/ceara/noticia/2017/01/lotacao-nos-presidios-do-ceara-cai-32-entre-2015-e2017.html. Acessado em 07 de Junho de 2017 GUIMARÃES, Maria de Fátima. Trajetória dos feminismos: introdução a abordagem de gênero. In: Marcadas a ferro. Violência contra a mulher, uma visão multidisciplinar. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005. HEILBORN, Maria Luiza; SORJ, Bila. Estudos de Gênero no Brasil. In: O que ler na Ciência Social Brasileira (1970-1995). Sociologia (Volume II). São Paulo: Sumaré/ANPOCS, 1999. KANT DE LIMA, R. Políticas de Segurança Pública e seu impacto na Formação Policial: considerações teóricas e propostas práticas. In: ZAVERUCHA, J.,BARROS, M.R.N. (orgs.). Políticas de Segurança Pública; dimensão da formação e impactos sociais. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Escola de Governo e Políticas Públicas/Editora Massangana, 2002. LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico, São Paulo SP Editora Atlas 1991. LISTGARTEN, Silvia Caroline. Diagnóstico Identitário da Policial Militar Feminina na Polícia Militar de Minas Gerais. Curso Superior de Administração Pública. Escola de Governo da Fundação João Pinheiro. Belo Horizonte. 2002. 151 páginas. LUHMANN, Niklas. O enfoque sociológico da teoria e prática do direito. Sequência, Florianópolis,
28, p. 15-29, jun. 1994. _______. Sociologia do direito I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983. MEAD, Margaret. Sexo e Temperamento. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1976. MOTTA, Manoel Barros de. Crítica da razão punitiva: nascimento da prisão no Brasil. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011. MENDES, Marcos Baptista. Militarização da segurança pública no Brasil: a polícia militar e os cenários de sua construção histórico-cultural. [S.l.]: [s.n.], [2012]. MINAYO , Maria Cecília de Souza . Impacto das atividades profissionais na saúde física e mental dos policiais civis e militares do Rio de Janeiro (RJ, Brasil). Revista Ciência & Saúde Coletiva, 16 (4):2199-2209, 2011 Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n4/v16n4a19.pdf. Acesso em: 12/03/2018. MINAYO, Maria Cecília de Souza e SOUZA, Edinilsa Ramos de. Missão Investigar: Entre o ideal e a realidade de ser policial. Ed. Garamond. Rio de Janeiro: 2003. MONET, Jean-Claude. Polícias e sociedades na Europa. Tradução de Mary Amazonas Leite de Barros. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2001. RÁO, Vicente. O direito e a vida dos direitos. 4. ed. Anotada e Atual. por Ovídio Rocha Barros Sandoval. V. 2. São Paulo: Ed. Revista dos Tribunais, 1997. RIBEIRO, Iselda Corrêa. Polícia: tem futuro? Polícia e sociedade em David Bayley.Sociologias, Porto Alegre, n. 8, p. 444-453, jul./dez. 2002. SAFFIOTI, Heleieth. Gênero e Patriarcado. In: Marcadas a ferro. Violência contra a mulher, uma visão multidisciplinar. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005. SANTOS, E. C. Rosa. Conceito de Segurança Pública. In: O Sistema Penal Brasileiro e a Mídia.Faculdade de Direito do Sul de Minas. Pouso Alegre,2006. SIMMEL, Georg. Questões fundamentais da sociologia: indivíduo e sociedade. Tradução: Pedro Caldas. Rio de Janeiro: Zahar, 2006. WAISELFISZ, J.J. Mapa da Violência 2016: Mortes Matadas por Armas de Fogo. Rio de Janeiro, FLACSO/CEBELA, 2016. WHARTON, Amy. Gender in interactions and institutions. In: The sociology of gender: an introduction to theory and research. Oxford: Blackwell, 2005 WEBER, Max. A Política como vocação. In: Ciência e política. Duas vocações. 19ª ed. Tradução de Leônidas Hegenberg e Octany Silveira da Mota. São Paulo: Editora Cultrix, 2003. ZALUAR, A. Violência: questão social ou institucional. In: (Org.). OLIVEIRA, N. V. Insegurança pública. São Paulo: Nova Alexandria, 2002.
Publicado
2018-10-01
Como Citar
Cazé, L. (2018). MULHERES DE FARDA. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP), 1(2), 71-93. Recuperado de http://ibsp.org.br/ibsp/revista/index.php/RIBSP/article/view/20