MANUAL DE LAVRATURA DO TERMO CIRCUNSTANCIADO

Atualizado até julho de 2020

Palavras-chave: Termo circunstanciado de ocorrência, Lavratura, Manual

Resumo

 Desde a vigência da Lei nº 9099, de 26 de setembro de 1995, as comunidades jurídica e policial vêm discutindo a participação de Policiais Militares no ciclo de persecução penal das infrações penais de menor potencial ofensivo. 

Sob argumentos que vão desde questões acadêmicas até aquelas de natureza político-institucional, iniciou-se um debate ideológico que até hoje se arrasta.

Normalizar rotinas pré-processuais, respeitando as mais variadas linhas hermenêuticas e com uma terminologia científica, por meio de uma metodologia científica adequada, a ponto de se habilitar o profissional a decidir, tipificar preliminarmente e registrar condutas que serão encaminhadas ao Poder Judiciário, passando pela visão crítica do Ministério Público e Advogados, é tarefa árdua que cabe ao comando da Corporação. Aos oficiais compete criar ferramentas que maximizem e tornem mais eficientes as ações dos operacionais de polícia, e isto leva à propositura de um manual.

Não basta simplesmente relacionar infrações penais que devam ser registradas por Termo Circunstanciado de Ocorrência, tampouco ordenar as fases do procedimento e indicar atribuições através de fluxogramas; não se admite também a conveniente evasiva de que cada caso é diferente de outros, induzindo à inviabilidade de normalização! Administrar é antever problemas e articular soluções; especialmente no âmbito da ciência do Direito as incógnitas procedimentais são mais acentuadas; é preciso antevê-las, pesquisar soluções juridicamente precisas, normalizar procedimentos e manter atenta vigilância à evolução legislativa, doutrinária e jurisprudencial.

Este trabalho se propõe a dar cientificidade e profissionalismo aos policiais que atuarão na lavratura de Termos Circunstanciados. Procuramos elaborá-lo no ponto médio entre os odiosos extremos do academicismo exacerbado, que não atingiria a finalidade prática proposta, e da superficialidade técnica, que denotaria menosprezo à capacidade intelectual e técnica dos profissionais de polícia.

Assim, nos pusemos a trabalhar na forma de “modelos” indicados aos casos de maior incidência criminal de menor potencial ofensivo, deixando de lado tipos penais de rara ocorrência que, surgindo, serão tratados com a excepcionalidade que lhes é peculiar.

O leitor verá em cada caso modelos propostos de coleta de “versão” ou oitiva do autor do fato, vítima e testemunha para, como se diz no universo forense, “sumular as versões” com os elementos imprescindíveis à persecução penal. Ainda, indexamos, tipos penais, comentários e jurisprudência do Tribunal de Alçada Criminal do Estado de São Paulo (TACrim) e, sob o título de “Roteiro prático de registro”, lançamos para cada caso um rol de orientações de caráter jurídico, policial, pericial e administrativo, de maneira clara e objetiva, que, certamente abrangerá a quase totalidade de dúvidas possíveis.

Não podemos nos equivocar em crer que, pelos princípios orientadores dos Juizados Especiais Criminais (oralidade, simplicidade, informalidade, celeridade e economia processual), a lavratura de Termos Circunstanciados dispense conhecimento jurídico elementar de tipicidade penal e básicas práticas forenses, que deverão dar lastro à definição de autoria e materialidade delitivas imprescindíveis à persecução penal na fase processual decorrente.

Esta edição vem de uma demanda de algumas polícias militares do Brasil, em busca de um material revisado daquela nossa primeira edição; o trabalho foi de fôlego e os direitos de publicação e reprodução ficam agora expressamente reservados ao Instituto Brasileiro de Segurança Pública (IBSP), que o edita na forma de um número especial de sua REVISTA DO INSTITUTO BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA (ISSN 2595-2153).

Como autor, permito-me dedicar essa edição ao meu neto Elias, a minha esposa Cristina e aos meus pais Azor e Olga, como também para reverenciar o trabalho do saudoso Tenente (da reserva não remunerada) Alvaro Lazzarini, desembargador vice-Presidente do Egrégio Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Biografia do Autor

Azor Lopes da Silva Júnior, Instituto Brasileiro de Segurança Pública - IBSP

Doutor em Sociologia (UNESP-FCLAr), com pós-doutorado em hermenêutica jurídica (UNESP-IBILCE-Departamento de Letras), Mestre em Direito Público (UNIFRAN, 2005), Especialista em Direito (UNESP/FAPERP,1998), graduado em Direito (FIRP,1990); é Especialista em Segurança Pública (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 2007). Pelo sistema de ensino militar (Art. 83 da LDB e Lei Complementar Estadual [SP] nº 1036, de 11 de janeiro de 2008) titulou-se Doutor (APMG, 2008), Mestre (CAES, 2005) e graduado (APMBB, 1984) em Ciências Policiais de Segurança e Preservação da Ordem Pública. É Advogado, Professor Universitário (bacharelado e pós-graduação em Direito), Avaliador integrante do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (INEP-MEC), Presidente do Instituto Brasileiro de Segurança Pública - IBSP (ibsp.org.br) e Coronel da Reserva Remunerada Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Referências

AZEVEDO, Olivaldi Alves Borges. Crimes ambientais de menor potencial ofensivo. São José do Rio Preto: Centro Universitário de Rio Preto, 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Direito). Orientador: Prof. Ms. Azor Lopes da Silva Júnior.

BITENCOURT, Cezar Roberto. Tratado de direito penal. São Paulo: Saraiva, 2004.

BRASIL. Tribunal de Alçada Criminal. 9ª Câmara. Recurso em Sentido Estrito nº 1333.219/3. Anulação de Termo Circunstanciado de Ocorrência por habeas corpus de ofício. Ministério Público do Estado de São Paulo e Mary Aparecida Delfino de Carvalho. Relator: Samuel Júnior. São Paulo. 18 dez 2002.

BUSSADA, Wilson. Prova pericial criminal interpretada pelos tribunais. Bauru: Edipro, 1994.

CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Constituição Dirigente e Vinculação do Legislador. Coimbra: Ed. Coimbra, 1982.

CAPEZ, Fernando. Curso de direito penal. São Paulo: Saraiva, 2000.

CARRERA, Francisco; SÉGUIN, Elida. Lei dos crimes ambientais. Rio de Janeiro: Esplanada, 1999.

CARO, Herbert; et. al. Dicionário português-latino. Rio de Janeiro: Ed. Globo, 1955.

CRETELLA JÚNIOR, José. Curso de direito administrativo. Rio de Janeiro: Forense, 1977, p. 14.

DELL’ORTO, Cláudio. A nova definição de infração penal de menor potencial ofensivo. Efeitos da Lei n º 10.259/2001, que instituiu os Juizados Especiais Criminais no âmbito da Justiça Federal. Disponível em: www.jus.com.br. Acesso em 11 maio 2004.

DELMANTO, Celso; et al. Código penal comentado. 6 ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

DIP, Ricardo; MORAES JÚNIOR, Volney Corrêa. Crime e castigo, Reflexões politicamente incorretas. Campinas: Millennium, 2002.

DOTTI, René Ariel. Tratado de direito penal. Rio de Janeiro: Forense, 2001.

FILHO, Antonio Magalhães. Juizados especiais criminais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1996.

FERREIRA, Luís Pinto. Princípios gerais do direito constitucional moderno. São Paulo: Saraiva, 1983.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Curso de direito constitucional brasileiro. São Paulo: Saraiva, 1995.

______. Comentários à Constituição brasileira. São Paulo: Saraiva, 1989.

______. Direitos humanos fundamentais. São Paulo: Saraiva, 1995.

FIGUEIRA JÚNIOR, Joel Dias; RIBEIRO LOPES, Maurício Antônio. Comentários à lei dos juizados especiais cíveis e criminais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.

GAMA, José de Souza. Curso de prática forense penal. 14 ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.

GRINOVER, Ada Pellegrini; GOMES FILHO, Antônio Magalhães; FERNANDES, Antônio Scarance; GOMES, Luis Flávio. Juizados Especiais Criminais. 2. ed., São Paulo: Revista dos Tribunais, 1997.

GURGEL, José Alfredo Amaral. Segurança e democracia: uma reflexão política. Rio de Janeiro: J. Olímpio Editora, 1975, p. 135-8.

IBGE - Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico da vegetação brasileira. Série manuais técnicos em Geociências. 1992.

MEIRELLES, Hely Lopes. Curso de direito administrativo. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990, p. 33.

JESUS, Damásio Evangelhista. Lei dos juizados especiais criminais anotada. São Paulo: Saraiva, 1996.

______. A exceção do art.61 da Lei dos Juizados Especiais Criminais em face da Lei nº 10.259, de 12.7.2001. Disponível em: www.damasio.com.br. Acesso em: ago. 2001.

______. Direito penal. São Paulo: Saraiva, 2003.

KELSEN, Hans. Teoria geral do direito e do Estado. Tradução de Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

______. Teoria pura do direito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

LAZZARINI, Álvaro et al. Direito administrativo da ordem pública. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

______. O processo de implantação dos juizados Especiais Criminais do Estado. Palestra apresentada no Seminário “Violência Urbana e Justiça Criminal” do Centro Universitário de Rio Preto, 1º, 19 maio 2003, São José do Rio Preto, 23 p. (mimeo).

LEITE, Manoel Carlos da Costa. Lei das contravenções penais. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1976.

LOPES, Maurício Antônio Ribeiro. Teoria constitucional do direito penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2000.

MACHADO, Paulo Afonso Leme. O conceito de fauna silvestre. São Paulo: Justitia, 1981.

MALULY, Jorge Assaf; DEMERCIAN, Pedro Henrique. A lei dos Juizados Especiais Criminais no âmbito da Justiça Federal e o conceito de infração penal de menor potencial ofensivo. Disponível em: http://www.direitocriminal.com.br. Acesso em : 22 abr. 2003.

MASAGÃO, Mário. Curso de direito administrativo. Tomo II. São Paulo: Max Limonad, 1960.

MATO GROSSO DO SUL. Tribunal de Justiça. Presidência do Conselho de Supervisão dos Juizados Especiais implementa, em caráter de experiência-piloto, nas comarcas de Campo Grande, Dourados, Corumbá e Três Lagoas, a sistematização dos Termos Circunstanciados lavrados por policiais militares a serem encaminhados aos Juizados Especiais Criminais. Instrução nº 5/04. Presidente: Desembargador Rêmolo Letteriello. 02 de abril de 2004. Diário da Justiça, n 786, p. 2, abr. 2004.

MAZZILLI, Hugo Nigro. Manual do promotor de justiça. São Paulo: Saraiva, 1991.

MCKINSEY & CONPANY, INC. Diagnóstico do Sistema de Segurança e da Organização da Polícia Militar do Estado de São Paulo. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo, 1991.

MÉDICI, Sérgio de Oliveira. Contravenções penais - doutrina, jurisprudência, legislação, prática. São Paulo: Jalovi, 1988.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito administrativo brasileiro. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1990.

MIRABETE, Júlio Fabbrini. Juizados Especiais Criminais. São Paulo: Atlas, 1997.

______. Código penal interpretado. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOLINA, Antonio García-Pablos de. Criminologia, uma introdução a seus fundamentos teóricos. Tradução de Luiz Flávio Gomes. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1992.

MONTEIRO, Ruy Carlos de Barros. Crimes de trânsito. São Paulo: Juarez de Oliveira, 1998.

MORAES, Alexandre; PAZZIGLINI FILHO, Mariano; SMANIO, Giampaolo Poggio;
VAGGIONE, Luiz Fernando. Juizado especial criminal. São Paulo: Atlas, 1996.

MORELLE, Ítalo. Pseudo-humanismo. Livrar infratores de prisão em flagrante é um erro. Disponível em: www.consultorjuridico.com.br. Acesso em: 27 jan. 2002.

NOGUEIRA, Paulo Lúcio. Juizados especiais cíveis e criminais. São Paulo: Saraiva, 1996.

PESSOA, Mário. O direito da segurança nacional. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1971.

REALE JÚNIOR, Miguel. Juizados Especiais Criminais - Interpretação e Crítica. São Paulo: Malheiros, 1997.

ROMEIRO, Jorge Alberto. Curso de direito penal militar. São Paulo: Saraiva, 1994.

SÃO PAULO (Estado). Resolução n. 403, de 26 de outubro de 2001. Estabelece as áreas-piloto de atuação da Polícia Militar para elaboração de Boletim de Ocorrência Policial Militar - Termo Circunstanciado (BO/PM-TC), no âmbito do Estado de São Paulo. Diário Oficial do Estado, Poder Executivo, São Paulo, Seção I, v. 111, n. 204, 27 nov. 2001.

SÃO PAULO (Estado). Resolução n. 229, de 29 de maio de 2002. Prorroga o prazo de vigência da Resolução SSP-403, de 26 de outubro de 2001. Diário Oficial do Estado, Poder Executivo, São Paulo, Seção I, v. 112, n. 101, 30 maio 2002.

SÃO PAULO (Estado). Resolução n. 517, de 25 de novembro de 2002. Prorroga o prazo de vigência da Resolução SSP-229, de 29 de maio de 2002. Diário Oficial do Estado, Poder Executivo, São Paulo, Seção I, v. 112, n. 226, 27 nov. 2002.

SÃO PAULO (Estado). Resolução n. 177, de 23 de maio de 2003. Prorroga o prazo de vigência da Resolução SSP-517, de 25 de novembro de 2002. Diário Oficial do Estado, Poder Executivo, São Paulo, Seção I, v. 113, n. 97, 24 maio 2003.

SÃO PAULO (Estado). Resolução n. 196, de 24 de junho de 2003. Prorroga o prazo de vigência da Resolução SSP- 177, de 23 de maio de 2003. Diário Oficial do Estado, Poder Executivo, São Paulo, Seção I.

SÃO PAULO (Estado). Resolução n. 264, de 25 de julho de 2003. Prorroga o prazo de vigência da Resolução SSP- 196, de 24 de junho de 2003. Diário Oficial do Estado, Poder Executivo, São Paulo, Seção I, v. 113, n. 139, 26 jul. 2003.

SÃO PAULO (Estado). Resolução n. 292, de 22 de agosto de 2003. Prorroga o prazo de vigência da Resolução SSP- 264, de 25 de julho de 2003. Diário Oficial do Estado, Poder Executivo, São Paulo, Seção I, v. 113, n. 161, 27 ago. 2003.

SÃO PAULO (Estado). Resolução n. 329, de 25 de setembro de 2003. Estabelece as áreas de atuação da Polícia Militar para elaboração de Boletim de Ocorrência Policial Militar - Termo Circunstanciado (BO/PM-TC), no âmbito do Estado de São Paulo. Diário Oficial do Estado, Poder Executivo, São Paulo, Seção I.

SÃO PAULO. Associação Paulista dos Peritos Criminais. Manual de orientação para requisições de exames periciais. São Paulo, 1985.

SÃO PAULO. Tribunal de Justiça. Regulamenta a fase preliminar do procedimento dos Juizados Especiais Criminais. Provimento n. 758. Presidente do Tribunal: Márcio Martins Bonilha. 23 de agosto de 2001. Diário Oficial, São Paulo, v. 71, set. 2001.

SÃO PAULO. Tribunal de Justiça. Consolida as normas relativas aos juizados informais de conciliação, juizados especiais cíveis e criminais e juizados criminais com ofício específico no Estado de São Paulo. Provimento n. 806. Presidente do Tribunal: Sérgio Augusto Nigro Conceição. 04 de agosto de 2003. Diário Oficial, São Paulo, 24 set. 2003.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. São Paulo: Malheiros, 1994.

SILVA, Marco Antonio Marques da. Juizados especiais criminais. São Paulo: Saraiva, 1997.

SILVA JÚNIOR, Azor Lopes da. A segurança como meio de eficácia dos direitos fundamentais. Franca: Universidade de Franca, 2004. Dissertação (Mestrado Stricto Sensu – área de concentração: Direito Público). Orientador: Prof. Dr. Ibrahim Haddad.

______. Prática policial: um caminho para a modernidade legal. Revista Meio Jurídico. a. 3, n. 36, fev. 2000.

______. Uma visão constitucional da Lei nº 10259/01, Revista Jurídica Consulex – Editora Consulex, ano VIII, volume I, n. 2, 30.01.2004; Revista Forense, v. 371, suplemento, p.659.

______. Direito à segurança. Revista Jurídica Consulex, Brasília, nº 170, 15 fev. 2004.

______. Manual de apoio jurídico operacional – termo circunstanciado de ocorrência. São Paulo: Polícia Militar, 2003.

TELES, Moura. Direito penal. São Paulo: Atlas, 2004.

TOCHETTO, Domingos (Org.) et al. Tratado de perícias criminalísticas. Porto Alegre: Sagra-DC Luzzato, 1995.

TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. São Paulo: Saraiva, 1886.
Publicado
2020-09-07
Como Citar
Silva Júnior, A. (2020). MANUAL DE LAVRATURA DO TERMO CIRCUNSTANCIADO. Revista Do Instituto Brasileiro De Segurança Pública (RIBSP) - ISSN 2595-2153, 3(7), 213-346. https://doi.org/https://doi.org/10.36776/ribsp.v3i7.124